ArtigosEnsaios

Mazda CX-5 2.2 SKYACTIV Excellence AT AWD: Elegância e Aventura!

Depois de termos estado ao volante do Mazda CX-5 de tracção dianteira na versão Evolve, chegou a altura de colocarmos “mãos à obra” no Mazda CX-5, na versão topo de gama Excellence com a motorização mais potente e tracção integral.

O Mazda CX-5 sempre foi um SUV de confiança. Um automóvel bonito, elegante, fiável, desenrascado q.b no todo-o-terreno, espaçoso, confortável e com boa construção. Esta nova geração do Mazda CX-5 mantém a ideia com ficámos da anterior geração e melhora algumas especificações, como seria de esperar.

No exterior adopta praticamente as mesmas linhas do seu antecessor. Continua a ter uma linha de cintura alta e robusta, que lhe oferece um aspecto elegante. As ópticas estão mais pequenas e são Full-LED, na traseira os farolins rasgam a chapa de forma bastante subtil, numa afirmação de jovialidade e traços desportivos. A grelha é agora mais aberta e é toda preta, do seu interior apenas sobressai o logo da marca nipónica que aparece ao centro. Por baixo da grelha contamos com um friso cromado que enfatiza o design da dianteira, oferecendo à grelha um estilo adicional. O capo é comprido e a traseira é alta e saliente, contamos com um spoiler discreto e duas saídas de escape que vincam o estilo mais desportivo.

Nesta versão Excellence temos no equipamento exterior: chaves mãos-livres, faróis de nevoeiro, vidros traseiros escurecidos, antena Shark, portão traseiro automático e jantes de 19 polegadas com dois tons envolvidas em pneus 225/55. O único elemento que destaca o facto de ser a versão de tracção integral é o “badge” na tampa da bagageira que não deixa margem para dúvidas “AWD”. Em termos de altura ao solo permanece igual e contamos com as mesmas protecções plásticas da carroçaria.

No interior é onde ocorrem as maiores alterações face às versões menos equipadas. Mantém-se a excelente qualidade de construção e o cuidado na utilização dos materais que fazem com que este Mazda CX-5 pareça de um segmento premium. Não há materais rígidos acima da cintura e é possivel até encontrar muitos materais emborrachados ou bom isolamento abaixo da cintura. A utilização do couro e dos pespontos proporcionam um toque extra de requinte, assim como a utilização dos cromados e a simulação de madeira nas portas e tablier. Em termos de design a Mazda continua a apostar na simplicidade e na utilização de poucos botões, o que resulta num aspecto limpo e agradável à vista.

Em termos de espaço o Mazda CX-5 é um automóvel competente, onde viajamos à vontade em todos os lugares, com todo o conforto e ergonomia, tanto ao nível dos assentos que são confortáveis e tem bom apoio lombar, como nos apoios de braços das portas e no túnel central. A bagageira é também generosa com 506 Litros de capacidade que podem chegar aos 1620 Litros através do rebatimento dos assentos traseiros.

No que toca ao equipamento contamos com sensores de chuva e luminosidade, head-up display, ar-condicionado automático de dupla zona, assentos em couro claro, cruise-control adaptativo, alerta de transposição involuntária de faixa, faróis direccionais, assento do condutor com regulação eléctrica, assentos dianteiros aquecidos, aviso de ângulo morto, botão de ignição, um painel de instrumentos completo, sistema de monitorização da pressão dos pneus, saídas da climatização para os lugares traseiros, travão de parque eléctrico, máximos automáticos, tecto de abrir, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, sistema de som premium BOSE com 10 altifalantes e ainda entradas USB no apoio de braço dos lugares traseiros.

O sistema de navegação e multimédia da Mazda aparece num ecrã de 7 polegadas, que são dimensões bastante reduzidas face à concorrência. Onde a Mazda ganha, é na simplicidade deste sistema que reúne tudo aquilo que precisamos para uma utilização quotidiana. Temos navegação, telefone, multimédia, mas não está preparado para Android Auto nem Apple CarPlay e também fica aquém das expectativas quando queremos mais informações e aplicações. Nada que tire o sono aos utilizadores comuns, contudo, os utilizadores mais exigentes deste tipo de sistemas podem acha-lo mais “primitivo”.

O painel de instrumentos apresenta a informações acerca das viagens, consumos, sistemas de ajuda à condução, navegação, estado do veiculo e multimédia de forma clara e bastante perceptível

A posição de condução é excelente e proporciona-nos uma boa envolvência uando guiamos o Mazda CX-5. O volante tem uma excelente pega, os assentos são confortáveis e tem apoio q.b. O automóvel torna-se uma extensão do condutor, uma vez que tudo foi criado para uma óptima sintonia, que é de fácil percepção. A tarefa da condução passa a ser ainda mais prazerosa.

Ao nível do comportamento dinâmico, o Mazda CX-5 é um dos SUV do seu segmento que nos faz esquecer que estamos a conduzir um automóvel mais alto. Apesar da suspensão condescendente e ajustada em prol do conforto, o Mazda CX-5 tem uma abordagem às curvas exemplar, revelando um comportamento previsível mesmo nas velocidades mais elevadas. A direcção directa e o sistema de tracção integral eficiente ajudam a que o comportamento dinâmico seja agradável não só na estrada, mas também no fora de estrada.

A tracção integral do Mazda CX-5 é gerida de forma “automática” pelo automóvel através de 27 sensores que, de acordo com a Mazda, verificam as condições da estrada 200 vezes por segundo. Estes sensores “dizem” ao Mazda CX-5 se é necessária a tracção nos dois eixos ou se é possivel viajar e ultrapassar obstáculos com recurso apenas à tracção dianteira.

Debaixo do capô está um motor 2.2 Litros SKYACTIV com 175cv de potência e 420Nm de binário, a potência é enviada para as rodas através de uma caixa automática com 6 velocidades que não é a mais rápida do segmento, mas desempenha bem a sua função efectuando trocas suaves que proporcionam conforto. Em termos de performance temos uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 9,5 segundos antes de atingirmos uma velocidade máxima de 206km/h. Apesar de ser uma motorização potente e com binário, não devemos esperar um automóvel de corridas, o Mazda CX-5 é um SUV equilibrado em que o desenvolvimento da aceleração ocorre de forma bastante “redonda” e progressiva.

No que toca aos consumos, podemos adiantar que os senhores da Mazda Portugal foram simpáticos e cederam-nos um automóvel com apenas 10 quilómetros percorridos. Ainda em fase de rodagem, ao longo dos 500 quilómetros que percorremos ao volante do Mazda CX-5 os consumos rondaram os 7,6 Litros a cada 100 quilómetros, com percursos de cidade e auto-estrada com e sem trânsito. Não nos podemos esquecer que estes consumos baixam com a quilometragem e que se trata de um automóvel alto, com 1610kg de peso, caixa automática e tracção integral.

Na segurança, o Mazda CX-5 conta com monitorização da pressão dos pneus, aviso de ângulo morto, luzes de máximos automáticas, aviso de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, alerta de tráfego cruzado à retaguarda, travagem activa de emergência, reconhecimento de sinais de trânsito, entre outros. Nos testes Euro NCAP o Mazda CX-5 conseguiu uma pontuação de 5 estrelas com 95% na protecção dos adultos, 80% na protecção das crianças, 78% na protecção dos peões e 58% nas ajudas à condução.

O Mazda CX-5 ensaiado era a versão topo de gama Mazda CX-5 2.2 D 175 cv 4X4 Excellence AT Pack Leather Beije TAE Cruise Pack Navi, pelo que o preço para público com pintura metalizada é de 54.356,05€. Paga de IUC: 252,47€.

Fotos de: João Santos

Artigo anterior

Fundação Grupo Renault: Agradecer a Portugal beneficiando a sociedade!

Artigo seguinte

SEAT Tarraco terá fortes argumentos no combate à concorrência!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.