EnsaiosEntrevistasNoticias

Ensaiámos o Abarth 595 Yamaha com a ajuda da Madalena Simões piloto da Yamaha Motor 7!

A Abarth desafiou-nos a testar o Abarth 595 Monster Energy Yamaha e nós pensámos que não havia ninguém melhor para ensaiar este modelo do que a Madalena Simões, uma piloto do campeonato nacional Super Sport 300, que tem apenas 19 anos e é apoiada pela Yamaha Motor 7.

Já ensaiámos praticamente todos os modelos da Abarth. Apesar disso, a marca do escorpião encontra sempre forma de nos voltar a “picar”. Desta vez, a Abarth lançou dois modelos especiais, o Abarth 595 Scopioneoro e o Abarth 595 Monster Energy Yamaha, cada uma destas versões é limitada às 2000 unidades.

Modelos especiais e limitados requerem ensaios especiais. A Madalena Simões é também uma piloto bastante especial, do alto dos seus 19 anos, já foi vice-campeã nacional de Moto 5 em 2018 e foi 5ª classificada no campeonato nacional Super Sport 300 no ano passado.

O Abarth 595 Monster Energy Yamaha é o automóvel ideal para quem é fanático por motociclismo, mas também para quem quer guardar um modelo que terá tendência a valorizar. Para além deste Abarth 595 Monster Energy Yamaha ser um modelo limitado às 2000 unidades, também é o mais “distinto” dos Abarth, uma vez que transpira todo o ADN Yamaha, através de cores exclusivas, assinaturas Yamaha / Monster e uma nota de escape já habitual dos modelos Abarth. Faz questão de informar à distância, que se apróxima um citadino italiano envenenado.

No exterior, este modelo está disponível em apenas duas cores: preto Scorpione, que veste umas listas laterais azuis Yamaha, ou em Bi-Tom Preto Scorpione com Azul Podio, que fará toda a questão de dar nas vistas. Falando em “dar nas vistas” os “badges” Monster Energy situados na tampa da bagageira, capô e laterais, vincam o espirito da Yamaha YZR-M1 do Moto GP, que se torna ainda mais vincado com os logótipos da Yamaha por cima das embaladeiras.

Ainda no exterior, esta versão limitada oferece jantes pretas de 17 polegadas envolvidas em pneus 205/40 R17 Pirelli, assinatura luminosa em LED, faróis de nevoeiro, faróis de Xénon e escape Record Monza dual mode com 4 saídas.

De acordo com a Madalena Simões: “Este carro parecendo que não, é uma bolinha! Quem sabe se até não é mais divertido do que a minha moto!”

No interior, o Abarth 595 Monster Energy Yamaha mantém todo o estilo exterior, que nos faz entrar no mundo do motociclismo. Os bancos desportivos pretos e azuis com um apoio lateral de excelência adotam o estilo da equipa da Yamaha do Moto GP, não só pelas cores, mas também pelas assinaturas Monster / Yamaha Factory Racing nos apoios de cabeça. Na lista de destaques específicos do interior constam a placa numerada com o badge referente à equipa de motociclismo e o friso azul no tablier preto piano.

Para além da temática não há alterações face às restantes versões, pois “em receita ganha não se mexe”. O Abarth 595 Monster Energy Yamaha, conserva todos os elementos que fazem dos Abarth automóveis para quem gosta de conduzir. Falamos de uma posição de condução alta, mas muito específica e prazerosa, pedais em alumínio, um volante com apontador e uma pega de excelência e ainda um punho da caixa de velocidades elevado e acessível ao condutor. Estes elementos garantem a condução “Abarth”, que nos arranca sorrisos de orelha a orelha.

Recheada de equipamento, esta versão oferece todas as comodidades, falamos de ar-condicionado automático, sistema de multimédia de 7 polegadas, sistema de som premium Beats, sistema de ajuda ao arranque em subida, modos de condução, TTC (Utiliza a travagem para diminuir a patinagem nas rodas), painel de instrumentos digital, sensores de chuva e luminosidade, controlo por voz, controlo da pressão dos pneus, sensores de ajuda ao estacionamento traseiro, entre outros.

O sistema de multimédia recebe-nos com a temática Yamaha, está preparado para Android Auto e Apple CarPlay, mas ainda nos brinda com serviços conectados UConnect e aplicações que nos permitem gravar o tempo e quilometragem de um trajeto ou circuito, para tentarmos melhorar os nossos tempos por volta num track day ou quem sabe compará-los com outros utilizadores Abarth.

O painel de instrumentos é muito completo, apresenta a informação com boa imagem e não se fica pelos dados de consumos e viagens. Apresenta um diagrama de força G, temperatura de água, entre outros. Como complemento, temos ainda o manómetro da pressão do Turbo, que nos ajuda a afinar a condução para este motor muito dependente da sobrealimentação.

A Madalena conduziu finalmente o Abarth 595 Monster Energy Yamaha e deixou-nos o seu testemunho:

“Para quem não conduzia um carro há muito tempo, que é o meu caso, adorei este Abarth Monster Energy Yamaha, pois é muito pequeno, ágil e tem força, muita força! Não estava à espera! Gostei da experiência, voltava sem dúvida a repetir, quem sabe se não peço um ao meu pai! (Risos)

O facto de ter 4 rodas não muda nada, porque eu gosto tanto de motos como de carros, por isso, este Abarth não me tirou ‘a pica’ por ter 4 rodas, antes pelo contrário.

Eu não tenho carro, mas se tivesse seria provavelmente um carro pequeno e ágil, como este, ou parecido. Mas agora que experimentei este, vai ser difícil de olhar para outro!

Para além de pequeno e ágil, é também um carro muito fácil de conduzir. Imaginava-me a conduzi-lo na pista, no modo desportivo, pois sempre me imaginei a conduzir carros em circuito, coisa que nunca fiz… Embora seja fácil de conduzir, acredito seja necessária muita destreza para controlar esta ‘bombinha’.”

A Madalena ficou convencida e nós também!

Embora tenhamos já ensaiado as versões mais espigadas da Abarth, nomeadamente o 695 Biposto com 190cv, o 595 Competizione (ensaio aqui) com 180cv ou mesmo o Abarth 124 Spider (ensaio aqui), este modelo é bastante equilibrado, permitindo-nos conciliar os track day ou a conduções mais empenhadas, pelas viagens calmas no dia-a-dia ou mesmo a circulação em cidade.

Este Abarth 595 Monster Energy Yamaha tem um motor 1.4 Litros sobrealimentado com um Turbo Garret, debita 165cv de potência às 5500rpm e 230Nm de binário às 2250rpm. A relação de 6,5 kg/cv chega e sobra, não só para realizar ultrapassagens em segurança, como também para arrancar sorrisos, mesmo aos condutores mais experientes.

O som do escape Record Monza combina com o modo “Sport”, onde ficamos capazes de atingir o nirvana do prazer auditivo, principalmente quando atacamos uma estrada de serra, que nos proporciona uma experiência auditiva digna de uma ópera italiana que “esvoaça” entre as árvores. Quem afirma que o silêncio de um veículo elétrico é prazeroso, é porque nunca ouviu uma ópera italiana cantada por um Abarth, que nos toca o coração e nos eriça os pelos dos braços!

O comportamento dinâmico parece ir além das leis da física! A questão que nos surge é: Como é possível um automóvel tão pequeno e com uma distância entre eixos tão curta, ter um comportamento dinâmico tão bom e capaz de humilhar alguns desportivos? Bem… Aqui está a prova de que os italianos sabem fazer automóveis! Os Abarth têm um comportamento exemplar, muito previsível e eficaz, a abordagem rápida às curvas faz-se com um apontar de direção em que a frente entra, a roda traseira interior levanta e o acelerador e chassi fazem o resto.

Apesar da alta posição de condução, estes citadinos endiabrados comunicam com o condutor, fazendo-o confiar neles como se confia na própria família, não é caso para menos! Há desportivos mais caros que não utilizam componentes tão bons como estes pequenos Abarth, damos como exemplo este nível de equipamento intermédio que nos brinda com discos dianteiros ventilados e perfurados com 284mm e discos traseiros perfurados com 240mm. A estabilidade e a firmeza na abordagem às curvas é assegurada pelo amortecimento KONI com válvula FSD na dianteira e traseira, mas ainda por barras estabilizadoras colocadas em ambos os eixos.

Este Abarth é muito rápido e muito ágil, tem um comportamento dinâmico de excelência e é equilibrado. Os sorrisos aparecem na hora dos olhar para o painel de instrumentos, com consumos de 6,9 Litros a cada 100km, que foi o que conseguimos realizar no nosso ensaio, em percursos mistos com e sem trânsito, após mais de 400km percorridos.

Quando queremos realizar o gosto ao pé, os consumos não se tornam insustentáveis, uma vez que falamos de 8,3 Litros a cada 100km, embora tenhamos de nos deslocar muitas vezes aos postos de combustível, devido a um depósito com apenas 35 Litros.

A Yamaha R3 da Madalena Simões tem 321cc, cerca de 50cv de potência, 150kg de peso, mas tem outros equipamentos que a tornam diferente dos modelos de estrada como: quickshifter, alterações ao nível da admissão de ar, KIT GYTR, eletrónica, ausência de luzes e farolins e carenagens de competição.

O Abarth 595 Monster Energy Yamaha está disponível a partir dos 29.984,00€, a versão ensaiada tem o valor de 31.184,00€. A Yamaha R3 está disponível a partir dos 6.900,00€, já a Yamaha R3 Super Sport da Madalena Simões custa cerca de 10.000,00€.

Agradecimentos: Madalena Simões / FB Racing Development / Yamaha Motor 7 / Abarth Portugal

Fotos: João Santos

Artigo anterior

Volvo Cars continua a recuperar vendas em 2020

Artigo seguinte

Lexus lança o Easy Service

1 Comentário

  1. 8 Dezembro, 2020 a 09:53 — Responder

    Contamos com esta tua força, garra e coragem madalena🤝

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.