TestesNoticias

DS7 Crossback Grand Chic BlueHDi EAT8: Versalhes desde 42.200,00€!

É difícil acreditar que um automóvel com a qualidade do DS7 possa estar disponível por um preço relativamente acessível. Arriscamos dizer que é dos automóveis mais competentes e polivalentes que nos passou pelas mãos, tornando-se difícil não ficar convencido com o seu design, equipamento, espaço, conforto e economia de combustível.

É fácil subir as expectativas dos SUV quando se conduz o DS7 Crossback. Para além de ter um “impacto visual” digno do Palácio de Versalhes, é também um automóvel com uma elegância e atractividade invulgar. É desportivo mas requintado, moderno sem ser excessivamente futurista e é familiar sem parecer uma camioneta da carris.

A assinatura luminosa do DS7 Crossback é inconfundível. Em parte, devido ao “espectáculo” luminoso, que se traduz na rotação dos LED dianteiros, nos picas dinâmicos na dianteira e traseira e na iluminação com efeito “cascata”. Não deixamos passar a barra fina de LED nas extremidades do pára-choques dianteiro.

Ainda no exterior encontramos o equilíbrio perfeito da cor da carroçaria, cromados, plásticos baços e preto brilhante, numa junção perfeita que traduz o requinte e a exuberância deste SUV francês, que não deixa ninguém indiferente. Na dianteira temos um lábio dianteiro saliente com protecção metálica e uma “trave” cromada que divide a fachada dianteira. A grelha tem dimensões generosas e é em favo de mel, adopta o logo DS a cromado, assim como uma moldura também cromada. As ópticas dianteiras recebem um sublinhado cromado e luzes led, que são autenticas obras de joalharia. No topo da dianteira há um capô relativamente direito mas aerodinâmico, com um vinco central que celebra o logótipo DS situado no topo da fachada dianteira.

Nas laterais há guarda-lamas e ilhargas salientes que adoptam protecções plásticas sob a aba das rodas, protecções plásticas nas embaladeiras e uma linha de cintura recta e elevada que acentua a robustez do SUV francês. Nas laterais sobra ainda espaço para moldura das janelas cromada, barras de tejadilho em alumínio e um friso “ópera” que “ostenta” o pacote interior mais requintado a estar disponível no DS7.

Chegando à traseira há um spoiler traseiro com flancos pretos brilhantes, um óculo traseiro pouco inclinado e uma tampa da bagageira saliente, adornada com uma barra cromada que alberga o dizer “Crossback”, sublinhando os farolins traseiros finos e pontiagudos. Mais abaixo temos um difusor traseiro com um sublinhado metálico e duas saídas de escape rectangulares de tamanho generoso.

Ainda no exterior há chave mãos-livres, jantes de 19 polegadas Roma envolvidas em pneus 235/50R19, barras de tejadilho longitudinais, ópticas e farolins Full-LED, faróis de nevoeiro LED retrovisores exteriores anti-encandeamento, vidros traseiros escurecidos, portão traseiro automático com sensor de pé, piscas dinâmicos, retrovisores com luzes de pisca em LED, entre outros.

O acesso ao habitáculo é fácil para pessoas de qualquer estatura e com qualquer idade. A abertura de portas convence mais no acesso aos lugares dianteiros que aos lugares traseiros, mas não e de todo difícil o acesso à segunda fila de assentos, mesmo para as pessoas de maior estatura.

O espaço é a palavra de ordem, uma vez que conseguimos viajar à vontade com espaço nos ombros, pernas e cabeça. O facto do DS7 ter o piso direito nos lugares traseiros faz com que o conforto a bordo e a acomodação das pernas seja também melhor e mais fácil. O espaço de bagageira também não desilude com 555 Litros que se expandem aos 1752 Litros com o rebatimento dos assentos traseiros.

O conforto a bordo está garantido, não falamos apenas do equipamento que aumenta o conforto a bordo, mas da própria composição do automóvel que alia o espaço, a um bom suporte de pernas e costas. O apoio lateral nos lugares dianteiros é bom para pessoas de maior estatura, mas torna-se algo “folgado” para pessoas de menor estatura que acabam por andar de “um lado para o outro” nas estradas mais sinuosas. O mesmo apoio nos lugares traseiros é quase inexistente. Contudo, os assentos oferecem conforto e as suspensões filtram bem as irregularidades da estrada quando se encontram nos modos normal e eco.

A qualidade de construção está ao nível dos premium. Embora haja ausência de materiais moles abaixo do nível da cintura, há revestimento nas zona de arrumação e uma montagem extremamente cuidada no tablier, consola central e portas, o que faz com que este modelo apresente ausência de ruídos parasitas e uma solidez pouco comum nas marcas generalistas. O modelo por nós ensaiado tinha mais de 1 ano e cerca de 20.000km, feitos com uma utilização mais extrema e intensiva do que a maioria dos automóveis do dia-a-dia, adquiridos por empresas e particulares, o que nos leva a crer que este é mais um ponto a favor da qualidade de construção do DS7 Crossback.

O design interior convence, utilizando uma linguagem requintada, luxuosa e verdadeiramente moderna, onde não falta um relógio analógico rotativo B.R.M, iluminação ambiente, botões em cascata, uma consola central em rampa, portas sem um único botão e dois ecrãs de grandes dimensões para o painel de instrumentos e sistema de navegação e multimédia que se encontra situado no topo da consola central. Os comandos estão situados na consola, tanto para a abertura dos vidros, como travagem de estacionamento, modos de condução e bloqueio de vidros e portas, com as restantes configurações a terem lugar no sistema de navegação e multimédia. O design prático e “clean” ganha mais vida com o couro preto, com o badge “ópera” e pespontos contrastantes no tablier e portas. Também os assentos não prescindem de um aspecto desportivo sem perder o requinte.

No que toca ao equipamento, a lista é longa! Nesta versão topo de gama “Grand Chic” com o pacote interior “Ópera” há pouco que possamos pedir mais, uma vez que contamos com ar-condicionado automático tri-zone, Regulador e Limitador de velocidade, Relógio rotativo B.R.M R180, sensores de chuva e luminosidade, filtro de odores, botão start da ignição, painel de instrumentos em ecrã de 12,3 polegadas, carregamento de smartphone sem fios, entradas USB para os lugares traseiros, Câmara de visão traseira com ajuda ao estacionamento traseiro e dianteiro, Bancos dianteiros com aquecimento, ventilação e massagem (condutor e passageiro), Banco do condutor com regulação eléctrica + banco do condutor com memoria + banco traseiro com regulação eléctrica, sistema de Isofix nos assentos traseiros e assento do passageiro e ainda sistema de navegação e multimédia em ecrã táctil de 12 polegadas. Continuamos com retrovisores com recolha eléctrica, controlo por voz, serviços conectados, tejadilho panorâmico, sistema de som premium Focal com 14 colunas de som e iluminação ambiente.

Há muitos equipamentos que os automóveis têm nos dias de hoje que são pura “ostentação”. Utilizamos certas funções e equipamentos dos automóveis para mostrar aos amigos e aos familiares que o nosso veículo tem determinada função. O mais comum é nem sequer nos lembrarmos de a voltarmos a ligar, se chegarmos até a esquecer que o nosso automóvel tem determinado equipamento. O DS7 Crossback é um automóvel cujos seus equipamentos melhoram as viagens significativamente, falamos do ar-condicionado de 3 zonas que permite aos passageiros dos lugares traseiros definir a temperatura que pretendem, do sistema de visão nocturna que nos permite ter um auxilio nos locais mais escuros e do sistema sensorial drive que nos permite ajustar o automóvel ao nosso gosto.

O sistema de navegação e multimédia tem uma qualidade de imagem de excelência, é intuitivo, tem uma boa navegação com visualização 3D e permite-nos aceder a configurações de climatização, multimédia, massagens dos assentos temas e modos de condução, configurações gerais do DS7 Crossback e ainda aos serviços conectados. Na lista de serviços conectados constam o SOS & Assistência, tele manutenção em que o DS7 verifica o seu estado alertando o condutor, navegação em tempo real, entre outros. Não podíamos deixar passar a ligação Android Auto e Apple CarPlay.

Através do atalho nos próprios assentos ou do DS Sense e possível colocar o SUV topo de gama da DS a “fazer massagens” ao condutor e passageiro. Há 5 tipos de massagens com várias intensidades. É ainda possível alterar o tema dos ecrãs, as cores ou criar perfis.

O painel de instrumentos tem uma excelente imagem, é intuitivo na entrega da informação e pode ser configurado a gosto do condutor. É possível ter alertas das ajudas à condução, navegação 3D, multimédia, dados de viagens e consumos, entre outros. Todas estas informações podem surgir de acordo com as preferências do condutor, aparecer ao centro à direita ou à esquerda consoante a configuração do DS Sense e perfil.

No lugar do condutor os comandos são intuitivos, estão acessíveis e bem iluminados à noite. Tanto a iluminação ambiente, como os vários ecrãs, não criam “ruído visual” excessivo, mesmo quando optamos por uma luminosidade mais alta. O volante tem uma boa pega, as patilhas da caixa são fixas como os automóveis de competição, mas podiam estar mais próximas do volante. O punho da caixa de velocidades é também ergonómico!

A visibilidade é boa para a dianteira e para as laterais, com uma pequena janela pós “pilar c”, que facilita as manobras e diminui o ângulo morto. No que toca ao estacionamento, este executa-se na perfeição, com a ajuda da câmara de marcha-atrás e dos sensores traseiros e dianteiros.

O comportamento dinâmico muda consoante o modo de condução. O DS7 torna-se realmente outro automóvel dependendo do modo, onde encontramos um carro macio, com trocas de caixa em regimes mais baixos e com menor resposta ao pedal do acelerador no modo Eco, que reduz também a eficácia da climatização. O modo desportivo torna o DS7 um automóvel que nada tem a ver com a sua aparência ou conceito, uma vez que a suspensão se torna “mais firme”, tornando o DS7 num automóvel menos filtrado e até mais prazeroso de conduzir, através do aumento da firmeza da direcção, melhoria da resposta do acelerador e trocas de caixa em regimes mais elevados. Se pensamos que um SUV que podemos considerar de Luxo não nos oferece um grande prazer de condução, o DS7 consegue através dos seus modos de condução adequar-se às nossas necessidades.

Debaixo do capô temos um motor 2.0 Litros Diesel BlueHDi de 4 cilindros com 180cv de potência às 3750rpm e 400Nm de binário às 2000rpm. Este motor é digno da sublimidade, sendo capaz de oferecer andamentos vivos ao DS7 nos regimes baixos e médios. Este é um automóvel que para além de nos brindar com um conforto de excelência é capaz de nos “encostar ao banco” quando é necessário. A caixa de velocidades EAT8 é para nós das melhores da actualidade. Não querendo ser “tendênciosos”, é uma caixa de velocidades capaz de trocas suaves e eficazes quando circulamos a um ritmo mais calmo, não ficando “atrapalhada” em situações menos frequentes ou no trânsito. Esta caixa de velocidades é prazerosa e obediente no modo manual e oferece um bom feedback do comportamento do DS7 nas conduções mais empenhadas.

O melhor de tudo isto? Ter um automóvel com um conforto e um equipamento digno da excelência, um motor poderoso e consumos que rondaram no nosso ensaio os 6,8 Litros a cada 100km. Percorremos mais de 600km com o DS7 com vários tipos de trajecto, entre eles, auto-estrada, estrada de serra e cidade, com conduções mais comedidas e mais empenhadas no modo sport. Podemos ainda dizer que quando queremos fazer o gosto ao pé direito os consumos sobem, sem passar muito a faixa dos 7,8 Litros a cada 100km. As emissões de CO2 também são surpreendentes, rondando as 173g/km (WLTP), o que é bom para um motor 2.0 Litros diesel com 180cv que faz mover uma carroçaria pesada. Juntando estas “mais-valias” ao facto de pagarmos classe 1 nas portagens sem via-verde.

No que toca à segurança o DS7 Crossback tem vários dispositivos de ajuda à condução, como aviso de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, aviso de ângulo morto, travagem activa de emergência, cruise control adaptativo com função stop & go, luzes máximos automáticas, monitorização da pressão dos pneus, botão SOS, visão nocturna, entre outros.

Nos testes Euro NCAP o DS7 Crossback obteve 91% na protecção dos adultos, 87% na protecção das crianças, 73% na protecção dos peões e 76% nas ajudas à condução.

No que toca a preços, o DS7 está disponível desde 42.200,00€ para aversão Be Chic com o motor a diesel BlueHDi de 130cv com caixa manual. Já as versões So Chic e Performance Line estão disponíveis a partir dos 44.200,00€ e 45.100,00€ respectivamente. A versão Ensaiada Grand Chic com o motor mais espigado e caixa automática de 8 velocidades está disponível a partir dos 63.750,01€. Ao valor base apresentado acrescentamos o valor dos opcionais e equipamentos que dará um total de 70.900,00€. O DS7 Crossback 2.0 Blue HDi paga de IUC: 258,78€

– Interior DS Black Ópera em Couro – 2000,00€
– Pintura Metalizada Castanho Andradita – 400,00€
– Jantes Liga leve de 19′ ROMA – 350,00€
– Pack Grand Chic (DS Connected Pilot, DS Night Vision, Climatização automática tri-zona, DS Sensorial Drive) – 2000,00€
– Tejadilho Panorâmico – 1000,00€
– Sistema HiFi FOCAL ELECTRA – 900,00€
– Pack Easy Access (Chave e ignição Mãos-Livres) – 500,00€

Saiba mais sobre este automóvel aqui!

Se tem um DS7 diga-nos a sua opinião, entrando em contacto connosco através das redes sociais ou através do e-mail: carzoomportugal@gmail.com

Artigo anterior

Audi Mercedes e BMW juntam-se para desenvolver a condução autónoma?

Artigo seguinte

Alpina não tem interesse nos BMW de tracção dianteira!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.