ArtigosEnsaios

Jeep Renegade Trailhawk 2.0 4X4: Aventura em modo premium!

Estivemos novamente ao volante do Jeep Renegade, desta vez com a versão mais espigada e aventureira. Esta versão Trailhawk 4×4 oferece ao Jeep Renegade uma personalidade que é mais do que ser apenas um simples SUV com boas capacidades para o todo-o-terreno. Ganhamos mais exclusividade e uma série de sistemas que nos permitem enfrentar caminhos mais complicados, sem grandes medos!

O Jeep Renegade é diferente dos crossovers e SUV tradicionais. Olhando para o Crossover americano, percebemos que com o seu aspecto não pretende apenas ser bonito e parecer bem, mas indica exactamente a finalidade para o qual está concebido. Quem procura um Jeep Renegade, não procura ser “engomadinho e bem comportado”, pois este automóvel transpira um aspecto aventureiro e rebelde, mas não o faz apenas no aspecto exterior.

Parte do seu design faz-nos lembrar o Jeep Wrangler, que é provavelmente o automóvel de série mais preparado para enfrentar o todo-o-terreno mais “sério”. (Ensaio Aqui) Ainda no exterior temos uma carroçaria com um estilo “retro” e bastante “cúbico”. A grelha dianteira é já imagem de marca e os faróis de estilo redondo são herdados do Jeep Willys. Temos ainda farolins com design elaborado em forma de “X” no interior, protecções plásticas em toda a carroçaria e barras de tejadilho.

Nesta versão Trailhawk, somos “obrigados” a dar destaque às jantes de 17 polegadas desenvolvidas para melhor escoamento de areias e lama, pintura bi-color (opcional), luzes bi-xénon, chave mãos-livres (opcional), vidros traseiros escurecidos, gancho no pára-choques traseiro (opcional) e ainda badges “Trailhawk”, “4X4” e “Trail Rated”.

No interior, a qualidade de construção e materiais está mais do que garantida, arriscamos dizer que é das melhores do segmento. A isto acrescentamos o espaço a bordo que satisfaz tanto nos lugares dianteiros como nos lugares traseiros. Até mesmo as pessoas mais altas dificilmente baterão com a cabeça no tejadilho, pois este está tão longe que parece quase uma catedral da igreja católica. O conforto a bordo é salvaguardado por suspensões condescendentes e assentos que oferecem algum conforto e ainda temos uma bagageira que satisfaz com 351 Litros de capacidade que se estendem até aos 1297 Litros.

Ainda no interior, o design é elaborado, oferecendo-nos uma sensação de robustez e resistência. Contamos com uma única peça emborrachada no tablier, uma pega à frente do lugar do passageiro, um ecrã de dimensões generosas na consola central, botões rotativos herdados do FIAT 500X. Como é já habitual na Jeep contamos com uma série de pormenores relacionados com a marca e com a sua história, como desenhos do Jeep Willys no pára-brisas, em frente à maneta da caixa de velocidades, no retrovisor interior e nas colunas. Temos ainda a data de fundação da marca na moldura do ecrã táctil, enquanto há outros pormenores que nos lembram que a Jeep é uma marca com história no exército e no todo-o-terreno, pelo que todo o ambiente interior nos leva a essa temática.

No que toca ao equipamento, esta versão está recheada de tudo o que faz falta e uma quantas coisas que provavelmente não vamos usar. Temos ar-condicionado automático de dupla-zona, espelhos retrovisores aquecidos, assentos aquecidos, assentos com regulação eléctrica, sistema de estacionamento semi-autónomo (opção), chave mãos-livres (opção), estofos em couro (opção), retrovisor interior com escurecimento automático, tejadilho panorâmico de dimensões generosas (opção), entradas USB e Aux, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro com sensores na dianteira (opção), cruise-control, controlo por voz, sistema de som premium, leitura de sms em voz alta, retrovisores com rebatimento eléctrico e ainda um painel de instrumentos TFT de dimensões generosas e um sistema de navegação e multimédia implementado num ecrã de 8,4 polegadas.

Relativamente ao sistema de navegação e multimédia, este conta com boa imagem, as informações são dadas de uma forma clara e contamos com várias aplicações numa loja online. Uma destas aplicações está relacionada com o consumo de combustivel e vai atribuindo uma classificação à nossa condução económica, para além das aplicações Facebook, Twitter, Noticias da Agência Reuters, Tunein e Deezer. A isto acrescentamos o Android Auto e o Apple CarPlay. Sendo esta a versão mais “espigada” do Jeep Renegade não podíamos deixar de ter uma aplicação que nos fornece a bússola, distribuição da tracção no eixo dianteiro e traseiro, indicação da inclinação do automóvel, diagrama de potência e binário, diagrama de força G e ainda um temporizador que nos permite realizar acelerações dos 0 aos 100km/h, dos 0 aos 50km/h, entre outros.

No painel de instrumentos temos um computador de bordo extremamente completo, que nos fornece as informações num ecrã de dimensões generosas e uma excelente imagem. No computador de bordo, temos os dados da viagem, consumo, pressão dos pneus, sistema de transposição involuntária de faixa, velocidade e multimédia.

A posição de condução do Jeep Renegade é alta e confortável, os comandos são intuitivos e o volante é ergonómico, tal como os assentos que oferecem um apoio que satisfaz.

Em termos de condução, o Jeep Renegade tem uma direcção directa q.b, um chassi bom e a suspensão, apesar de condescendente não penaliza o comportamento em estrada, mesmo nesta versão que conta com pneus com um perfil indicado para terra e um sistema de tracção integral que torna o Jeep Renegade mais pesado. É um automóvel divertido de conduzir, até porque vai onde nenhum outro SUV do segmento consegue ir e nós que o digamos.

Obviamente que não se trata de “subir paredes”, mas o Jeep Renegade coloca-nos com um sorriso de orelha a orelha, quando percebemos que tem alguma facilidade em ultrapassar certos obstáculos que seriam praticamente impossíveis, para os seus concorrentes. Falamos de subidas acidentadas com desníveis e pedregulhos… Falamos de descidas algo íngremes onde só temos de nos preocupar em segurar a direcção que o sistema de ajuda à descida faz o resto, a este sistema juntamos o botão rotativo que nos oferece 5 modos de condução muito específicos para cada situação: Neve, Areia, Lama e Rochas, em que a tracção será utilizada de forma a que o Jeep Renegade consiga obter parâmetros que o ajudem a ultrapassar os diferentes tipo de piso. Temos ainda o bloqueio da tracção integral e a tracção integral em baixas para que consigamos ultrapassar ainda melhor, os obstáculos mais exigentes. Para além das mais valias mencionadas anteriormente, somos obrigados a mencionar os ângulos de ataque e de saída que são dos melhores do segmento.

O motor 2.0 Litros diesel conta com 170cv de potência e 350Nm de binário, tem força suficiente para oferecer andamentos vivos ao Jeep Renegade e para o fazer ultrapassar os terrenos mais difíceis e acidentados. A caixa automática podia ser mais rápida, mas desempenha a sua função na perfeição. Com esta receita, o Jeep Renegade precisa de 8,9 segundos para atingir os 100km/h e atinge de velocidade máxima os 196km/h, o que é bom, tendo em conta a aerodinâmica de um tijolo. Tendo em conta a aerodinâmica má, a caixa automática, o motor de cilindrada considerável, a tracção integral e o peso mais elevado, podemos dizer que as médias de 7,3 Litros a cada 100km, satisfazem bastante, principalmente quando alguns desses quilómetros são feitos a tentar realizar subidas com obstáculos no mato.

O Jeep Renegade, também está dotado com o “badge” Trail Rated, que é o “emblema” que identifica alguns dos modelos da Jeep que tem capacidades de todo-o-terreno que se identificam com as bases da marca e não só… Trail Rated significa também que os veículos passaram pelo centro de testes de Nevada (NATC), que avalia automóveis de todo-o-terreno tendo em conta a tracção, a distância ao solo, as capacidades no fora de estrada, a manobrabilidade e a capacidade de passar em locais com muita água. Para além do “badge” Trail Rated, somos obrigados a relembrar que o Jeep Renegade foi pelo segundo ano consecutivo “coroado” como o 4×4 do Ano pela 4×4 Magazine. O sucesso do Renegade baseia-se na sua versatilidade. “A gama Renegade é abrangente e cada proprietário recebe um SUV bem construído, bem equipado e surpreendentemente espaçoso, diz Nigel Fryatt, editor da 4×4 Magazine”.

Na segurança, o Jeep Renegade Trailhawk, contava com travagem autónoma de emergência, aviso de ângulo morto, aviso de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, ajuda ao arranque em subida, cruise-control adaptativo e monitorização da pressão dos pneus. O Jeep Renegade, obteve nos testes Euro NCap a classificação de 5 estrelas em 2014 onde conseguiu 87% na protecção dos adultos, 85% na protecção das crianças, 65% na protecção de peões e 74% nas ajudas à condução.

O Jeep Renegade está disponivel a partir de 24.200,00€ na versão menos equipada Longitude, sendo que a versão mais equipada Trailhawk está disponivel a partir dos 45.600,00€ e tem obrigatoriamente de contar com o motor 2.0 Litros, com a tracção integral e a caixa automática. A versão ensaiada contava já com alguns extras, pelo que o preço deixa de ser tão simpático alcançando os 52.151,00€. Paga de IUC: 255,71€.

Fotos de: José da Palma

Artigo anterior

CUPRA e Ducati Corse: A electrónica nas corridas!

Artigo seguinte

Volkswagen I.D R: A arma da Volkswagen para Pikes Peak!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.