NoticiasEnsaios

Honda CR-V 1.5 VTEC Elegance: Gasolina em sinónimo de eficiência?

Quando se ouve falar de alguns SUV de tamanho generoso com motores potentes a gasolina, a tendência é colocar as mãos na cabeça e pensar no consumo de combustível. No caso do Honda CR-V com o motor a gasolina 1.5 VTEC de 170cv, tudo muda de figura, uma vez que este conjunto consegue proporcionar ao condutor andamentos vivos sem ter de realizar contratos com gasolineiras. A toda esta eficiência no consumo de combustível juntamos espaço a bordo para dar e vender!

O Honda CRV está mais bonito e elegante, a Honda focou-se nos detalhes e ofereceu a este SUV, um design capaz de rivalizar com os seus concorrentes Europeus. Não esquecendo que este é um dos maiores automóveis do seu segmento, a Honda manteve-o moderno e compacto, o que se traduz num aspecto visual atractivo.

Na dianteira temos um capô mergulhante, ópticas rasgadas com dimensões generosas, grelhas tímidas, aplicações cromadas, assim como guarda-lamas pouco salientes. Nas laterais temos uma linha de cintura elevada, que não tira a claridade ao interior, uma vez que tem vidros laterais generosos. Destacam-se as protecções de carroçaria na embaladeira e apontamentos cromados. O cromados mantém-se na traseira, dividindo as laterais do pára-choques da carroçaria e o óculo traseiro da chapa. Nesta versão a gasolina somos brindados com duas saídas de escape.

No equipamento exterior temos, ópticas e farolins LED, faróis de nevoeiro, barras de tejadilho longitudinais, jantes de 18 polegadas 235/60 R18, vidros traseiros escurecidos, entre outros.

O acesso ao interior é dos melhores do segmento, a abertura das portas traseiras faz um ângulo de 90º graus, que facilita o acesso dos passageiros. O plano de carga da bagageira é algo baixo e plano, o que também facilita a carga de objectos pesados. Falando em bagageira esta tem 497 Litros, que se estendem aos 1697 Litros com o rebatimento dos assentos traseiros.

Já no interior há espaço para dar e vender, onde os passageiros vão viajar à vontade com espaço para as pernas, ombros e cabeça, tanto nos lugares dianteiros, como nos lugares traseiros.

A qualidade dos materiais na dianteira é agradável, temos um tablier emborrachado, adornado com um friso em madeira à frente do passageiro e pesponto contrastante, que também se apodera das portas e apoio de braço central. Já os apontamentos a madeira não se ficam pelo tablier, uma vez que estão presentes no túnel central e portas, oferecendo um aspecto mais requintado. O preto brilhante está presente, como seria de esperar num automóvel moderno, encontramo-lo nas portas, friso do tablier e consola central. Já nos lugares traseiros a qualidade dos materiais sofre uma “descida”, que se vê compensada pela boa qualidade de construção.

O design interior é limpo, tem poucos botões e está focado na família, que consegue não só ligar dispositivos de multimédia nas várias fichas de carregamento, como também consegue ter uma visibilidade de excelência.

Na lista de equipamento consta o ar-condicionado automático de dupla-zona com saídas para os lugares traseiros, assentos dianteiros aquecidos, entradas USB, AUX e HDMI, volante multi-funções, controlo por voz, sensores de chuva e luminosidade, sistema de navegação e multimédia com ecrã touch de 7 polegadas, cruise-control e limitador de velocidade, travão de estacionamento eléctrico com função auto-hold, sensores de ajuda ao estacionamento com câmara, modo de condução “Eco”, painel de instrumentos digital, entre outros.

O sistema de navegação e multimédia do novo Honda CR-V merecia um ecrã touch de maiores dimensões, assim como melhor qualidade de imagem. Este sistema é completo q.b, sendo capaz de satisfazer o utilizador comum. Contudo, é confuso e pouco intuitivo, prejudicando quem não está habituado a este tipo de sistemas e quem queira realizar operações de forma rápida, uma vez que o sistema de navegação e multimédia da Honda não é o cumulo da rapidez. Há multimédia e navegação, aplicações e está preparado para o Android Auto e Apple CarPlay.

Já o painel de instrumentos é muito intuitivo, apresenta a informação de forma dinâmica e fácil de consultar. Basta um botão para termos acesso aos níveis de fadiga, informações dos sistemas de segurança. estado do automóvel, consumos e dados da viagem.

No lugar do condutor estamos elevados e confortáveis, desta forma, verificamos que a visibilidade está ao melhor nível do segmento. Como se não bastasse, a posição elevada do punho da caixa de velocidades, facilita a tarefa da condução, que se torna mais prazerosa também, devido à ergonomia do punho da caixa de velocidades e do volante.

O comportamento dinâmico do Honda CR-V não é de um automóvel de corridas, uma vez que é fácil perceber que se trata de um SUV familiar de dimensões generosas, com uma suspensão condescendente, afinada em prol do conforto. Apesar disso, o Honda CR-V tem um comportamento agradável, que se revela através de reacções neutras e previsíveis.

Debaixo do capô está um dos melhores motores a gasolina do segmento. Um motor 1.5 Litros VTEC Turbo de 4 cilindros com 170cv de potência às 5600rpm e 220Nm de binário entre as 1900rpm e as 5000rpm. Este motor mostra-se disponível a partir dos regimes baixos, com uma subida acentuada de performance a partir dos regimes médios, o que se traduz em recuperações e acelerações vivas. A aceleração dos 0 aos 100km/h acontece em 9 segundos e a velocidade máxima é de 209km/h. A caixa manual de 6 velocidades é muito prazerosa de utilizar, é bem escalonada e muito precisa.

Os consumos impressionam pela positiva, uma vez que falamos num SUV mais alto e menos aerodinâmico, que recorre a um motor a gasolina de 170cv para puxar uma carroçaria com mais de 1500kg. Com tudo isto, conseguimos médias de 7,3 Litros a cada 100km, percorridos em cidade e auto-estrada, com e sem trânsito.

No que toca a modos de condução há apenas dois. O modo “normal” e o modo Eco que adapta a performance da climatização e a resposta do acelerador, de forma a que o novo Honda CRV se torne mais económico.

No campo da segurança, o Honda CR-V tem equipamento para dar e vender como sistema de manutenção de faixa, aviso de ângulo morto, aviso de fadiga do condutor, travagem de emergência activa, controlo de pressão dos pneus, retrovisor interior com escurecimento automático, sistema de ajuda ao arranque em subida, entre outros. Nos testes Euro NCAP o Honda CR-V obteve as 5 estrelas com 93% na segurança dos adultos, 83% na segurança das crianças, 70% na segurança dos peões e 76% nas ajudas à condução.

No que toca a preços, o Honda CR-V começa nos 35.950,00€ para a versão Comfort, a versão ensaiada Elegance Navi tem o preço de 38.200,00€. Paga Classe 1 nas portagens, paga 171,18€ de IUC e tem 7 anos de garantia sem limite de quilómetros, com direito a 7 anos de assistência em viagem.

Também já testámos o Honda CR-V Hybrid e podes ler aqui o ensaio!

Artigo anterior

Alfa Romeo apoia Lisbon Experience Intimissimi Uomo

Artigo seguinte

Até sempre e obrigado Joaquim Moutinho!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.