ArtigosEnsaios

Renault Grand Scénic Hybrid Assist: Tradição nos tempos modernos!

Estivemos ao volante da Renault Grand Scénic, este é provavelmente o monovolume mais adquirido pelas famílias portuguesas, não falamos apenas desta última geração que está equipada com tudo e mais umas botas, como também das anteriores gerações que sempre tiveram como palavras de ordem o espaço, a economia e a versatilidade, nada mudou, excepto a inserção das novas tecnologias tão apreciadas por pessoas de todas as idades.

A Renault Scénic apareceu em 1996, começou por se chamar “Mégane Scénic” e aliava o conforto ao espaço para os passageiros e o espaço para arrumação, tinha um design moderno e atraente e um formato que ia de encontro ao que as famílias procuravam. A Renault tinha previsto uma produção de 450 automóveis por dia, uma vez que achava que a Renault Scénic era para um mercado algo “curto” relativamente ao que havia para a Renault Espace na época. As expectativas foram bastante superadas, uma vez que a Renault chegou a produzir 2500 Renault Mégane Scénic por dia. A primeira Renault Scénic contava com motor 1.4 e 1.6 a gasolina e um motor diesel 1.9.

Sofreu um restyling em 1999, tornando-se ainda mais moderna e atraente, teve alterações ao nível do design que assumia na altura novas ópticas mais modernas, alterações ao nível do interior com novos estofos e volante com airbag e melhor visibilidade. Os farolins traseiros também tinham sido redesenhados e recebeu os novos motores de 16 válvulas. A produção do facelift da primeira Renault Scénic terminou em 2003.

A segunda geração da Renault Scénic surgiu também em 2003, após o lançamento do Renault Mégane II. Nesta segunda geração a Renault Scénic recebeu em 2004 uma versão de 7 lugares, com uma maior distância entre eixos e maior bagageira. Tal como acontece com o Mégane, a segunda geração da Scénic contava com um estilo mais moderno e dinâmico e ainda novas tecnologias, incluindo o imobilizador sem chave “Renault Card” e um travão de estacionamento automático, os acabamentos foram também melhorados face à primeira geração Scénic. A grande novidade foi também o painel de instrumentos digital. Em 2006 recebeu também um facelift que incluía, nova iluminação no interior, novas jantes, novas ópticas e farolins.

A terceira geração da Renault Scénic de 5 e 7 lugares foi lançada em 2009 e comercializada até ao final de 2016, embora tenham sido ainda matriculadas algumas em 2017. Esta Renault Scénic contava já com sistemas de navegação, as últimas contavam também serviços conectados, ar-condicionado automático de dupla-zona, assentos individuais, iluminação diurna LED, entre outros.

A última geração da Renault Grand Scénic não tem um legado fácil de defender, mas consegue-o na perfeição, uma vez que para além de todo o espaço a bordo e conforto, nos oferece também consumos de combustivel verdadeiramente simpáticos e novas tecnologias para dar e vender.

O design da nova Renault Scénic está mais atraente, não se parece tanto com uma monovolume e adoptou o aspecto de uma Renault Espace mais pequena. Ao olhar para as gerações anteriores, percebemos que a nova Grand Scénic é conservadora no que toca ao formato, embora esteja mais elegante, bonita e dinâmica. A linha de cintura é alta, as rodas deixam pouco espaço de abertura às cavas e as protecções plásticas na carroçaria investem num estilo mais aventureiro e robusto, os pilares finos melhoram significativamente a visibilidade.

Ainda no exterior destacamos as luzes de iluminação diurna LED em “C” que é a assinatura luminosa da Renault, carroçaria bi-tom como opção, jantes de 20 polegadas com dois tons, envolvidas em pneus de medida especifica do modelo 195/55 R20, faróis de nevoeiro, farolins LED, frisos cromados em torno dos vidros, junto aos faróis de nevoeiro e junto à embaladeira e temos um capô mergulhante e uma grelha aberta que acentua o design mais jovem. Damos destaque às barras de tejadilho em alumínio e ao “badge” Hybrid Assist que nos diz que esta Renault Scénic conta com um pequeno motor eléctrico.

No interior a tradição mantém-se, temos espaço para dar e vender, uma acessibilidade de excelência devido a uma abertura ampla das portas, 7 lugares, bons acabamentos e montagem, assim como muito espaço na bagageira que conta com 718 Litros de capacidade e 118 Litros com os 7 lugares colocados. A bordo viaja-se confortavelmente nos lugares dianteiros e traseiros, embora na 3ª fila de assentos dois adultos tenham alguma dificuldade em viajar, como é normal neste tipo de automóvel.

Destacamos o equipamento desta versão intens que nos oferece: Controlo por voz, retrovisores rebativeis electricamente, sistema de navegação e multimédia R-Link 2 que aparece num ecrã de 8,7 polegadas, 5 modos de condução, ar-condicionado automático de dupla zona com saídas para os lugares traseiros, travão de estacionamento automático, painel de instrumentos em ecrã TFT, sistema de ajuda ao estacionamento dianteiro e traseiro com câmara de marcha-atrás, 5 iluminações ambiente, botão start da ignição e memória de vários perfis.

O sistema de navegação e multimédia R-Link 2 inclui 1 ano de serviços conectados que nos permitem descarregar aplicações na R-Link Store, ter informações do trânsito em tempo real, acesso ao e-mail entre outros serviços. É também através deste sistema que conseguimos configurar a climatização, modos de condução, ajustes do automóvel, trancas das portas, chave mãos-livres, iluminação ambiente e disposição do painel de instrumentos, configurações ao nível da multimédia e som. Temos cerca de 5 modos de som provenientes do sistema de som da Arkamys que tem também boa qualidade. O sistema é rápido, intuitivo, tem boa imagem, acesso ao Android Auto e Apple CarPlay.

O painel de instrumentos da Renault Scénic Hybrid Assist tem uma barra de aceleração e armazenamento de energia que nos ajuda a aproveitar a inércia do automóvel em beneficio do consumo de combustivel, a isto somamos um gráfico de uma folha que fica mais ou menos cheia consoante a aceleração para nos ajudar também a poupar combustivel. Ainda no painel de instrumentos temos informações acerca da pressão dos pneus, dados de viagens e consumos, assim como bússola, informações dos sistemas de ajuda à condução, informações de navegação, entre outros.

A Renault Scénic preserva uma posição de condução que privilegia a visibilidade e facilidade na condução, é fácil gostarmos de estar ao volante deste monovolume e esquecermos-nos que estamos na realidade ao volante de um. A Renault Scénic tem uma pega de volante agradável, comandos “à mão de semear”, assim como configurações que agradam a todos os tipos de condutores. Quem privilegia uma posição de condução mais desportiva, não viaja nas alturas como é habitual neste tipo de automóveis, mas a configuração do assento em altura permite também uma postura mais descontraída e alta em relação ao trânsito.

No que toca ao comportamento em estrada, a Renault Scénic é exemplar, uma vez que tem uma direcção directa q.b, uma suspensão condescendente que não é ineficiente e uma caixa de velocidades agradável na sua utilização, apesar de configurada em prol dos consumos que pode carecer de alguma habituação. A Renault Scénic, ajuda-nos ainda a conduzir de forma económica e segura, uma vez que a probabilidade de ficarmos parados se tirarmos o pé do acelerador e colocarmos de imediato no travão é elevada. A travagem magnética provocada pelo sistema de travagem regenerativa é tal, que muitas das vezes não precisamos de travar para adequar a velocidade a determinadas situações em que a devemos reduzir, este sistema também requer alguma habituação, mas é sem duvida uma mais valia no que toca aos consumos.

A Renault Grand Scénic Hybrid Assist tem 5 modos de condução e todos eles podem ser personalizados. Estes modos influenciam não só o comportamento do acelerador e direcção como também alteram a iluminação ambiente, a climatização e o painel de instrumentos. Os modos são Comfort; Sport; Eco; Neutral e Perso.

O motor 1.5 dCi está, nesta versão, associado a um pequeno motor eléctrico com 15cv de potência e a uma caixa manual de 6 velocidades. Infelizmente, esta versão já não está disponivel. Actualmente temos um motor 1.5 dCi de 110cv e 260Nm de binário, esta potência é enviada para as rodas dianteiras através de uma caixa automática EDC de dupla embraiagem com 7 velocidades, nesta motorização 1.5 dCi, a Renault Scénic só está disponivel com caixa automática EDC. No que toca a prestações conseguimos uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 12,4 segundos e uma velocidade máxima de 183km/h. No nosso ensaio à Renault Scénic Hybrid Assist conseguimos uma média por cada 100km de 4,8 Litros, uma média que deve aumentar com a actual versão 1.5 dCi sem motor híbrido com caixa automática.

No que toca à segurança, a Renault Grand Scénic é um automóvel exemplar, que está dotado com alguns sistemas que fazem a diferença, como alerta de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, cruise-control adaptativo, sensor de proximidade, ajuda ao arranque em subida, travagem de emergência activa, luzes de máximos automáticas, sistema de ajuda ao estacionamento dianteiro e traseiro, retrovisor interior com escurecimento automático, entre outros.

A Renault Grand Scénic paga apenas classe 1 com Via Verde nas portagens e está disponivel a partir dos 36.920,00€ a versão 1.5 dCi com caixa EDC e equipamento semelhante ao da versão ensaiada está disponivel por 38.040,00€. Tem uma garantia de 5 anos ou 100.000km e paga de IUC: 145,05€.

Fotos: Catarina Rodrigues

Artigo anterior

KIA Niro EV apresentado na Coreia do Sul!

Artigo seguinte

Automóveis e camiões da Volvo comunicam entre si em tempo real!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *