ArtigosEnsaios

Mitsubishi Eclipse Cross Intens 1.5 CVT: Fiabilidade, segurança e dinâmica!

Estivemos ao volante do “último grito” da Mitsubishi, falamos do novo modelo Eclipse Cross, que fez com que deixássemos de associar o nome “Eclipse” ao coupé desportivo de outros tempos e passássemos a associá-lo a um SUV com um estilo coupé, aspecto futurista e de grande qualidade, embora não seja um automóvel capaz de agradar a todos.

O aspecto do Mitsubishi Eclipse Cross dá nas vistas, ou não reparávamos em tantas pessoas com um olhar curioso a tentar perceber que automóvel era aquele. A Mitsubishi rompeu com o seu design mais conservador e ofereceu a este modelo ópticas mais estilizadas, uma traseira invulgar e um formato que convence pela positiva e que prima pela diferença. Se há quem goste e olhe com um ar curioso, já sabemos que há também quem não fique tão agradado com todo este cenário, mas vivemos bem com isso.

Temos um capô mergulhante, ópticas rasgadas, uma grelha aberta, aplicações cromadas a acentuar o estilo desportivo, uma entrada de ar colocada mais abaixo e luzes de nevoeiro e pistas num módulo colocado abaixo das ópticas principais e ainda temos uma protecção no pára-choques dianteiro. As portas são altas, assim como a linha de cintura que é rectilínea e vai subindo até à traseira, oferecendo ao Mitsubishi Eclipse Cross um aspecto mais robusto. Ainda nas laterais temos protecção plástica na embaladeira e abas plásticas nos guarda-lamas e ilhargas e as barras de tejadilho são acabadas a preto. A traseira é a parte deste automóvel que deixa mais pessoas “indignadas”, temos um simpático spoiler, protecções de pára-choques, um friso cromado na tampa da bagageira e um módulo de luzes traseiras que se tornou quase a “imagem de marca” deste modelo.

Outros destaques incluem luzes de iluminação diurna LED nas ópticas dianteiras, farolins LED, vidros traseiros escurecidos, antena barbatana de tubarão, barras de tejadilho longitudinais, jantes de 18 polegadas com dois tons envolvidas em pneus 225/55, moldura cromada nos vidros laterais e protecções em alumínio por toda a carroçaria.

No interior temos espaço em abundância nos lugares dianteiros e traseiros, a bagageira tem 378 Litros que crescem até aos 1159 Litros com o rebatimento dos assentos traseiros. O design do interior continua a ser algo “conservador” como acontece na maioria da gama da marca, cremos que não é defeito, é feitio! A qualidade dos materiais está longe de ser uma referência, mas podemos dizer que se encontra acima de alguns modelos da marca como o seu irmão ASX, a boa qualidade da montagem evita que hajam barulhos parasitas e problemas a longo prazo.

Em termos de equipamento o Mitsubishi Eclipse Cross oferece-nos tejadilho panorâmico (opcional), câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, patilhas da caixa no volante, travão de estacionamento eléctrico, assentos em tecido, assentos traseiros com função deslizante, chave mãos-livres, painel de instrumentos com computador de bordo em ecrã TFT, head-up display, botão com modo “eco”, ar-condicionado automático de dupla-zona, iluminação interior em LED, controlador “touch-pad”, controlo por voz, sistema de som premium com 9 altifalantes (opcional), assentos aquecidos (opcional) e ecrã multimédia.

O Mitsubishi Eclipse Cross ensaiado não tinha sistema de navegação, contudo, o simpático ecrã com boa imagem, controlado por um “touch-pad” estava preparado para Android Auto e Apple CarPlay, o que nos permite utilizar as aplicações do nosso telefone no sistema do automóvel, sendo fácil de utilizar e havendo sempre a possibilidade de ter os sistemas de navegação e as aplicações sempre actualizadas. O sistema de multimédia do Mitsubishi Eclipse Cross requer alguma habituação.

O painel de instrumentos tem um computador de bordo com boa imagem, fornecia muita informação como dados de viagem e consumos, dados de manutenção e informações dos sistemas de ajuda à condução. O que não faz sentido é o botão de selecção das informações do computador de bordo estar abaixo do mesmo, ao lado do volante, sendo pouco acessível e muito “anos 90”.

A posição de condução do Mitsubishi Eclipse Cross é agradável, assim como a pega do volante e as patilhas da caixa de velocidades, os assentos tem bom apoio lombar e também são bastante confortáveis. O acesso a certos comandos podia estar mais acessível e ser mais prático, o touch-pad, por exemplo, requer alguma habituação, mas reconhecemos que está acessível e que possibilita ao condutor focar-se mais na estrada operando à mesma o sistema de multimédia.

A condução do Mitsubishi Eclipse Cross é prazerosa, pois temos um automóvel com uma direcção directa q.b, uma suspensão firme, um motor disponivel e uma caixa automática precisa e eficiente, embora esteja longe de ser tão rápida quanto as referencias do segmento. Apesar do tamanho e altura, o Mitsubishi Eclipse Cross aborda as curvas de forma exemplar, com um comportamento previsível. Na terra e em trilhos mais acidentados, o Eclipse Cross tem uma altura simpática que nos permite realizar certas saídas no fora de estrada, por terrenos acidentados sem que tenhamos de andar de “coração nas mãos”, desde que não hajam excessos nem exageros, não esquecendo que não se trata de um automóvel preparado para todo-o-terreno.

Debaixo do capô o Mitsubishi Eclipse Cross esconde um motor 1.5 Litros de 4 cilindros turbo com 163cv de potência e 250Nm de binário. O motor é disponivel e está associado a uma caixa automática de variação continua com 6 relações que envia a potência para as rodas dianteiras. Com esta receita o Mitsubishi Eclipse Cross tem uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 9,8 segundos antes de atingir a velocidade máxima de 205km/h. Já os consumos no nosso ensaio, andaram sempre perto dos 8 Litros a cada 100km, sem cometer grandes excessos e exageros, o que nos leva a crer que se por acaso estivéssemos a circular com o pedal do lado direito em posição mais horizontal, os consumos seriam ainda menos simpáticos.

Na segurança, o Mitsubishi Eclipse Cross é exemplar, para além de um grande desempenho em testes de esquiva e alce, este automóvel conseguiu as 5 estrelas nos testes Euro NCap com 97% na protecção dos adultos, 78% na protecção das crianças, 80% na protecção dos peões e 71% nas ajudas à condução. Relembramos que no campo da segurança temos: aviso de ângulo morto, aviso de transposição involuntária de faixa, sistema de ajuda ao arranque em subida, alerta de colisão frontal com travagem de emergência autónoma e ainda cruise control adaptativo.

O modelo ensaiado Intens tracção dianteira com caixa automática tem o custo de 33.200,00€, que com o desconto passa a custar 29.400,00€. Não podemos deixar escapar o facto do Mitsubishi Eclipse Cross ter 5 anos de garantia ou 100.000km e o facto de ser um automóvel com fiabilidade mais do que comprovada. Paga de IUC: 168,98€.

Artigo anterior

O recorde no Estoril é na realidade de Pedro Salvador e do Seat Leon Cupra? (Vídeo)

Artigo seguinte

Aston Martin vai utilizar o nome "Vanquish" para o seu próximo Super Carro!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.