NoticiasTestes

Hyundai Tucson 1.6 CRDi: Versátil e fiável!

A Hyundai renovou um dos seus best-seller, o Hyundai Tucson, que conta agora com um design mais “refinado”, sem perder as características que fazem dele um SUV de confiança, um automóvel versátil, com muito equipamento e fiabilidade comprovada.

O “antigo” Hyundai Tucson já atraia pelo seu aspecto imponente e robusto, ou não seria um dos modelos mais vendidos pela marca na Europa.

O Hyundai Tucson é um automóvel alto e elegante com um capô de dimensões generosas, linha de cintura alta, traseira elevada e tejadilho inclinado. Na frente temos a grelha cromada em cascata típica da Hyundai a contribuir para um aspecto mais “premium”, ópticas rasgadas que lhe conferem um estilo jovem, contam também com uma assinatura luminosa que acentua as alterações no design face ao antecessor. O capô é vincado, o pára-choques dianteiro é musculado e tem protecções plásticas e as rodas tem “abas” de protecção em plástico que para além de protegerem a carroçaria oferecem o aspecto aventureiro que um SUV deve ter. Ainda na dianteira temos os faróis de nevoeiro sublinhados por luzes LED. Nas laterais temos um estilo dinâmico e fluido, protecções da embaladeira em plástico, moldura cromada dos vidros, capas dos retrovisores em cor contrastante e barras de tejadilho longitudinais pretas. A traseira é delineada pelo tejadilho e óculo traseiro inclinados, farolins traseiros rasgados, protecções plásticas do pára-choques e dupla saída de escape em “D”.

No equipamento exterior temos luzes de iluminação diurna LED, farolins LED, vidros traseiros escurecidos, antena barbatana de tubarão, chave mãos-livres, jantes de 18 polegadas, entre outros.

Face ao modelo anterior as maiores alterações de exterior encontram-se nas jantes que passaram a ter 18 polegadas para privilegiar os consumos de combustível e o conforto, a nova grelha em cascata, os farolins LED e a assinatura luminosa dianteira.

É no interior que ocorrem as maiores alterações, mas onde se mantém a boa qualidade de montagem associada a uma melhoria na qualidade dos materiais. Os plásticos rígidos continuam a abundar no interior do Hyundai Tucson, mas estão colocados de uma forma “mais inteligente” que permite uma redução de ruídos parasitas. Na versão ensaiada que tinha 7600km não ouvíamos um único ruído desagradável, tanto em estrada como em zonas mais acidentadas de terra, algo que não aconteceu com alguns modelos de marca premium com menos quilómetros. O interior está mais agradável, não só pela melhoria no design, como também pela colocação de couro no tablier com um pesponto que oferece maior requinte, colocação de materiais emborrachados nas portas e couro, que fornecem uma maior agradabilidade ao toque.

No design temos agora um ecrã flutuante, pedais e puxadores das portas redesenhados e novas cores de estofos e guarnições disponíveis.

O espaço continua a ser a palavra de ordem, uma vez que viajamos à vontade nos lugares dianteiros e traseiros. Os assentos podiam ser mais condescendentes e ter mais apoio lombar, embora este seja regulável para o condutor. A acessibilidade é boa tanto para os lugares dianteiros como para os lugares traseiros, isto se o automóvel não tiver o opcional dos estribos de lado, que acabam por dificultar a entrada e não seriam necessários tendo em conta que a altura do Tucson não é exagerada. A bagageira tem 513 Litros de capacidade que se estendem aos 1503 Litros através do rebatimento dos assentos traseiros.

Como a Hyundai nos tem vindo a habituar, o novo Tucson também está recheado de equipamento de série. Falamos de ar-condicionado automático de dupla-zona com saídas para os lugares traseiros, assento do condutor com regulação lombar eléctrica, retrovisores exteriores com recolha eléctrica, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, volante multi-funções, botão start da ignição, travão de estacionamento eléctrico, modos de condução, sensores de estacionamento, cruise control, sistema de navegação e multimédia em ecrã de 8 polegadas e computador de bordo em ecrã TFT.

O sistema de navegação e multimédia tem boa imagem, é intuitivo e está bem colocado. Permite-nos navegação em tempo real, serviços conectados durante 7 anos, meteorologia em tempo real e alerta de câmaras de velocidade e radares fixos. Este sistema está também preparado para Android Auto e Apple CarPlay, para além de ser intuitivo é rápido e eficaz.

O painel de instrumentos do Hyundai Tucson mantém-se fiel ao antecessor, o que quer dizer que temos um computador de bordo completo, com informações de viagem e consumos, velocímetro, temperatura da transmissão, informações do nível de AD blue, Bússola, alertas do estado do automóvel, sistemas de ajuda à condução, entre outros.

No lugar do condutor a posição de condução é alta e agradável, os comandos estão acessíveis e são intuitivos. A pega do volante é agradável e há visibilidade q.b tanto para efectuar manobras, como na condução quotidiana.

No que toca ao comportamento o Hyundai Tucson evoluiu. Temos suspensão traseira multi-link que oferece mais conforto e estabilidade, para além de ser condescente q.b na sua globalidade. A carroçaria não adorna em excesso, o que nos permite ter um comportamento algo previsível, embora o Hyundai Tucson não nos deixe esquecer a configuração mais condescendente da suspensão que o torna algo “saltitão” quando imprimimos um ritmo mais despachado.

Debaixo do capô está um motor diesel de 4 cilindros 1.6 CRDi com 136cv de potência e 320Nm de binário, associado a uma caixa automática de dupla embraiagem com 7 velocidades que envia a potência para as rodas dianteiras. Este motor é equilibrado e oferece ao Hyundai Tucson prestações satisfatórias para uma utilização quotidiana, que privilegia os consumos de combustível sem ser aborrecido de guiar. A caixa automática de dupla embraiagem com 7 velocidades fornece trocas suaves e é obediente q.b no modo sequencial.

No que toca a consumos de combustível conseguimos no nosso ensaio médias de 5,8 Litros a cada 100km em vários percursos com e sem trânsito, onde houve oportunidade para nos aventurarmos um pouco no fora de estrada, tendo em conta que não se trata de um puro todo-o-terreno e que os próprios estribos colocados como opção oferecem algumas “limitações” no que toca a subir e ultrapassar alguns obstáculos. Com o Hill Descent control podemos retirar os pés dos pedais durante as descidas e o Hyundai Tucson vai gerindo a rotação das rodas consoante a inclinação, fazendo com que tenhamos que nos preocupar apenas com o controlo da direcção.

No que toca a performance conseguimos uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 11,8 segundos, antes de atingir a velocidade máxima de 180km/h. No modo “Sport” a direcção torna-se mais firme e o acelerador fica mais sensível.

Na segurança o Hyundai Tucson contava com equipamentos como sistema de ajuda ao arranque em subida, luzes de máximos automáticas, sensores de chuva e luminosidade, entre outros. Nos testes Euro NCAP o SUV coreano obteve em 2015 as 5 estrelas com 86% na protecção dos adultos, 85% na protecção das crianças, 71% na protecção dos peões e 71% nas ajudas à condução.

O novo Hyundai Tucson 1.6 CRDi DCT de 136cv paga Classe 1 nas portagens com Via Verde e está disponivel a partir dos 39.286,50€, tem 5 anos de garantia e paga de IUC: 181,25€.

Fotos: João Santos

Artigo anterior

Mclaren vai lançar 18 automóveis até 2025!

Artigo seguinte

Novo Peugeot 208 revelado!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.