EnsaiosNoticias

Honda HR-V 1.5 VTEC Executive: Fiabilidade e versatilidade!

O Honda HR-V da actual geração já tem alguma “idade”, uma vez que chegou ao mercado em 2015. Contudo, sofreu uma actualização no ano passado, que ainda o leva a ser uma aposta válida. O motor 1.5 VTEC que o equipa, tem as suas “cartas na manga” que convencem os mais exigentes.

No que toca ao aspecto exterior, ou se gosta ou não se gosta, uma vez que o design “alternativo” da Honda leva a que as opiniões se dividam. Contudo, não podemos negar que o “facelift” lhe assenta bem, uma vez que tornou o Honda HR-V mais moderno e atraente.

Na dianteira o Honda HR-V herda alguns elementos dos novos modelos da marca, entre eles, o friso cromado e as ópticas rasgadas e pontiagudas. A grelha superior é tímida, deixando margem para a grelha inferior, que se deixa sublinhar por um lábio dianteiro generoso e desportivo. Os faróis de nevoeiro estão inseridos numa entrada de ar simulada, que oferece um aspecto mais dinâmico à dianteira. Ainda na frente sobressai o capô vincado e os guarda-lamas salientes.

Nas laterais temos uma linha de cintura direita, um tejadilho curvo, embaladeira declivada e um puxador de porta “disfarçado” no pilar “C”, que ajuda a oferecer o aspecto “coupé” já facultado pelo tejadilho inclinado. As ilhargas são musculadas e as cavas das rodas têm margem suficiente para dar pouco ênfase às jantes.

Na traseira temos farolins em forma de “L”, com a linha de cintura da bagageira a ganhar destaque, com a inserção de um friso cromado. No pára-choques traseiro temos uma protecção plástica generosa, que “dá sombra” a uma saída de escape mais desportiva. Damos destaque ao spoiler traseiro tímido e ao óculo traseiro inclinado.

Ainda no exterior temos faróis de nevoeiro, ópticas e farolins LED, chave mãos-livres, barras de tejadilho longitudinais, friso cromado nos vidros laterais, vidros traseiros escurecidos e jantes de 17 polegadas com 2 tons, envolvidas em pneus 215/55.

No interior encontramos um design focado no condutor, onde a consola central adopta uma inclinação que ajuda a tornar a condução mais envolvente. Temos um posicionamento agradável da caixa de velocidades e um preto brilhante que se junta ao cinza escovado, trabalhando como “adorno” do design interior ligeiramente antiquado. No que toca aos materiais, encontramo-los emborrachados ou em couro acima da cintura e com menos qualidade abaixo da mesma. A boa qualidade de montagem vai retardar o aparecimento de ruídos parasitas.

O acesso aos lugares traseiros realiza-se sem grande esforço, apesar da inclinação do tejadilho
A abertura de portas é generosa q.b. Uma vez no interior temos espaço que chegue para pernas, ombros e cabeça nos lugares traseiros. Nos lugares dianteiros viajamos à vontade e sem a preocupação de não ter local onde guardar bagagem. A bagageira tem 431 Litros de capacidade, que se estendem aos 1473 Litros. Já no habitáculo, as bolsas das portas são tímidas, mas o porta-luvas está ao nível do segmento, com o compartimento por baixo do apoio de braço a ser suficiente para guardar alguns objectos que não caibam nas bolsas das portas.

No equipamento interior temos: volante multi-funções, sistema de navegação e multimédia em ecrã de 8 polegadas, travão eléctrico de estacionamento com função auto-hold, botão start da ignição, retrovisores com regulação e recolha eléctrica, ar-condicionado automático de dupla-zona, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, modo de condução “eco”, computador de bordo, sistema de ajuda ao arranque em subida, tejadilho panorâmico, regulador e limitador de velocidade, entradas USB, Aux e HDMI, apoio de braço nos lugares traseiros, sensores de chuva e luminosidade, controlo por voz e bluetooth.

O sistema de navegação e multimédia da Honda já viu melhores dias. Antiquado e lento, este sistema apresenta uma interface pouco intuitiva e com uma apresentação que podia ser melhor. Contudo, tem as aplicações necessárias ao utilizador comum e podemos resolver os pontos menos positivos acima assinalados com a utilização do Android Auto. Alguns dos pontos positivos são a aplicação Aha, histórico de viagens e consumos e centro de aplicações Honda.

Se o sistema de navegação e multimédia já foi melhor… O que dizer do computador de bordo? Este é realmente antiquado, acompanha o Honda HR-V desde o lançamento desta 2ª geração. Apesar de apresentar as informações básicas de forma intuitiva, já está “ultrapassado” face à concorrência.

No lugar do condutor a posição de condução é agradável, oferece boa visibilidade, através de um posicionamento mais elevado e também devido aos pilares dianteiros finos. A visibilidade para trás não é má, uma vez que o óculo traseiro é generoso q.b.

É fácil sentirmo-nos bem a conduzir o Honda HR-V, uma vez que temos um volante com uma pega agradável, um punho da caixa de velocidades pequeno e ergonómico, além de bem posicionado, assim como uns assentos que oferecem bom apoio de pernas e bom apoio lateral.

No que toca ao comportamento dinâmico temos uma direcção directa q.b, uma suspensão que absorve bem as irregularidades da estrada e um chassi rígido q.b. Não estamos perante um automóvel de corridas, mas há conforto a bordo e segurança, embora se note um adornar considerável de carroçaria, quando abordamos curvas de forma mais empenhada.

Debaixo do capô está um motor 1.5 Litros VTEC de 4 cilindros com 130cv às 6600rpm e 155Nm às 4600rpm. Este motor mostra-se algo anémico nas rotações mais baixas, tornando-se realmente vivo nas rotações mais elevadas, o que nos impede de realizar consumos mais simpáticos. O beneficio é a fiabilidade já conhecida destes motores e o prazer auditivo que se extrai de um motor VTEC em rotações elevadas. A caixa manual de 6 velocidades é prazerosa e precisa.

No que toca a prestações temos uma aceleração dos 0 aos 100km/h que acontece em 10 segundos e uma velocidade máxima de 192km/h.

Os consumos rondaram os 7,3 Litros a cada 100km/h com percursos mistos, com e sem trânsito.

No campo da segurança, o Honda HR-V obteve as 5 estrelas nos testes Euro NCAP em 2015 com 86% na protecção dos adultos, 79% na protecção das crianças, 72% na protecção dos peões e 71% nas ajudas à condução. O Honda HR-V está equipado com alerta de transposição involuntária de faixa, ajuda ao arranque em subida, entre outros.

O Honda HR-V está disponível com valores a partir dos 25.550,00€ para a versão Comfort com o motor 1.5 VTEC de 130cv. Já a versão ensaiada Executive com o motor 1.5 VTEC de 130cv está disponível a partir dos 30.500,00€. Paga de IUC: 136,72€.

Fotos: João Santos

Artigo anterior

Suv C3 Aircross estreia ediçao especial “C-SERIES”

Artigo seguinte

Casa cheia para receber os 500 km do Estoril!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.