NoticiasTestes

Citroen C5 Aircross Shine 1.5 HDi EAT8: Aventura, conforto e espaço para toda a família!

O Citroen C5 Aircross tem tudo o que uma família precisa, um aspecto aventureiro e personalizável, uma altura ao solo que nos permite sair da estrada, espaço para dar e vender e muita versatilidade. No nosso ensaio, a versão Shine aliava-se ao motor 1.5 BlueHDi com 130cv e à caixa automática de 8 velocidades. O SUV da Citroen teve direito a caminhos de terra e um teste de conforto e dinâmica em estrada.

O Citroen C5 Aircross é um automóvel diferente, uma vez que pode ser muito discreto ou muito vistoso consoante as cores e os pacotes de decoração escolhidos. Numa cor mais escura passa despercebido, numa côr mais clara com inserções de cores vistosas pode bem destacar-se do parque automóvel saturado de cinzentos e pretos. No nosso ensaio, tivemos um senhor com um modelo igual que nos disse “Xiça! É igual ao meu e eu estava a tentar perceber que carro era!” O automóvel que ensaiámos era Azul petróleo com molduras brancas e o Citroen C5 Aircross do senhor era branco com elementos vermelhos! Essa pode muito bem ser uma das particularidades deste modelo que entra num segmento onde os automóveis começam a perder escolha de cores e começam a trocar a personalização pelos mais convencionais cromados e pretos brilhantes.

A carroçaria arredondada concede ao Citroen C5 Aircross um aspecto mais simpático e familiar, de onde se destacam uma mão cheia de pormenores incomuns no segmento. Os quadrados e rectângulos de arestas arredondadas, parecem ser a “ordem de design” do Citroen C5 Aircross estando presentes nas assinaturas luminosas, reflectores e protecções de carroçaria, influenciando o formato dos próprios painéis que adoptam também extremidades arredondadas.

A dianteira é alta e curta, as protecções do pára-choques dianteiro oferecem a ideia de maior robustez, enquanto a grelha inferior generosa e entradas de ar nas extremidades do pára-choques concedem um aspecto mais dinâmico e desportivo. O logótipo da marca estende-se com frisos que se prolongam pelo capô, terminando em luzes de iluminação diurna. Logo abaixo, a grelha dianteira superior dá também continuidade às ópticas que são sublinhadas por um friso que se estende para lá da grelha. O capô é arredondado e tem duas concavidades, que ajudam a pronunciar a largura dos guarda-lamas dianteiros.

Nas laterais sobressaem as protecções das portas salientes que evitam riscos e toques de “supermercado” que evitam mossas causadas pelos mais “distraídos”. As portas são altas, mas deixam espaço que sobre para as janelas proporcionarem boa iluminação solar, as ilhargas são musculadas e o friso cromado em torno dos vidros laterais termina no inicio do pilar “A”. É de destacar também as barras de tejadilho longitudinais que têm dois tons e um design mais aerodinâmico. O Pilar “C” tem um vidro escurecido mas translúcido, para além de melhorar o aspecto visual, melhora também a visibilidade a bordo.

A traseira é alta e tem um spoiler que suporta o 3º stop, há farolins longos e arredondados, saídas de ar nas laterais do pára-choques traseiro, uma protecção de pára-choques generosa com um difusor preto brilhante, que alberga duas saídas de escape simuladas.

Ainda no exterior temos ópticas e farolins LED, faróis de nevoeiro, vidros traseiros escurecidos, portão traseiro com abertura eléctrica (opcional), chave mãos-livres, retrovisores com recolha eléctrica, barras de tejadilho longitudinais e jantes de 19 polegadas Art Diamantadas com dois tons (opcional) envolvidas em pneus 205/55.

O acesso ao interior é fácil, entramos bem nos lugares dianteiros e traseiros independentemente da nossa estatura física. O tejadilho é alto e pouco curvo e as portas têm uma boa abertura e um tamanho generoso. Até o plano de carga da bagageira é bom, uma vez que a abertura ocorre quase ao nível da protecção plástica do pára-choques, não sendo necessário esforço excessivo para colocar um objecto mais pesado no interior da bagageira.

Uma vez no interior o espaço é a palavra de ordem. Viajam 5 adultos totalmente à vontade, devido em parte, aos 3 lugares traseiros independentes com regulação da posição. Há espaço para os ombros e para a cabeça q.b e as pernas também ficam acomodadas com relativo “à vontade”. A bagageira é das maiores do seu segmento com 516 Litros de capacidade, que se estendem aos 1310 Litros com o rebatimento dos assentos traseiros.

No que toca ao design o Citroen C5 Aircross preserva o estilo “diferente” e aventureiro com um tablier direito, saídas da climatização verticais e presença dos quadrados e rectângulos de arestas redondas um pouco por todo o interior. Há um sistema de navegação e multimédia bem posicionado no topo da consola central, um túnel central em rampa e um painel de instrumentos também digital de tamanho generoso. As cores estão bem conjugadas com os pespontos vermelhos a adornarem os assentos, lado direito do tablier, apoio de braço dianteiro e pegas das portas. A cereja no topo do bolo é a conjugação entre o couro, o preto brilhante e o alumínio que destacam os traços de design interiores ou darem ênfase às áreas onde estão implementados.

Se o design lhe assenta que nem uma luva a construção não fica atrás, uma vez que no nosso ensaio ao modelo não ouvimos qualquer ruído parasita, nem na circulação fora de estrada. Por outro lado, há materiais que parecem ter uma qualidade menos boa como a esponja fina no tablier, túnel central e portas. Nada que nos tire o sono!

No que toca ao equipamento temos ar-condicionado automático de dupla-zona, regulação lombar no assento do condutor, modos de condução, modos de tracção para vários tipos de piso, patilhas da caixa de velocidades no volante, entradas USB, 12 Volts e Aux, travão de estacionamento eléctrico, volante multi-funções, sensores de chuva e luminosidade, controlo por voz, portão traseiro com abertura eléctrica, wi-fi, botão start da ignição, sistema de navegação e multimédia em ecrã táctil de 8 polegadas e ainda um painel de instrumentos em ecrã TFT de 12,3 polegadas.

O sistema de navegação e multimédia do Citroen C5 Aircross é completo, tem boa imagem e é muito intuitivo. Apresenta-nos funções não só de navegação e multimédia, como também telefone, climatização, Android Auto, Apple CarPlay, leitura de sms e aplicações conectadas. Tem serviços de navegação em tempo real e é ainda possível utilizar a internet do smartphone para aceder a algumas dessas aplicações ou ter um hotspot de wi-fi.

O painel de instrumentos de 12,3 polegadas tem uma imagem de excelência e fornece muita informação. Há visualização da navegação em 3D, informações dos sistemas de segurança, multimédia, dados de viagens e consumo, rotações e velocidade, modos de condução, entre outros.

O conforto a bordo é constante, ou não estaríamos a falar de uma marca conhecida pelo conforto. Os assentos têm apoio lombar q.b e fornecem um bom apoio de costas e pernas, tornando as viagens mais confortáveis retardado a fadiga. Todo este conforto também se deve à utilização de suspensões com batentes hidráulicos progressivos que reúnem dois batentes hidráulicos em cada amortecedor. A função de cada um desses batentes é diferente, uma vez que um deles recebe o impacto e o outro comprime a mola. Este tipo de suspensão oferece mais estabilidade e aumenta o conforto, mesmo em locais onde há maiores irregularidades ou buracos na estrada.

No lugar do condutor os comandos encontram-se todos à mão, a posição de condução é alta e confortável e a visibilidade é boa tanto para a dianteira como para a retaguarda, o pilar “C” translúcido aumenta a visibilidade, o facto da traseira ser alta podia comprometer os estacionamentos de marcha-atrás caso não houvesse ajudas, uma vez que as há, deixa de ser um questão que nos aflija.

O comportamento em estrada do Citroen C5 Aircross satisfaz, podemos contar com estabilidade, um comportamento privilégio, uma direcção precisa e uma suspensão equilibrada. Apesar de não ser um automóvel de corrida, o bom comportamento dinâmico torna a condução envolvente e agradável.

Há 3 modos de condução: Normal, Eco e Sport. Como os próprios nomes indicam o normal para uma utilização quotidiana, o eco para aumentar a economia de combustivel e o sport para uma condução mais desportiva. O que é certo é que sentimos a diferença do modo normal para o modo “Eco” uma vez que o automóvel se torna mais progressivo, mas a diferença sentida do normal para o Sport é muito pouca.

No nível de equipamento ensaiado “Shine” há ainda 5 modos de tracção que a Citroen apelidou de “Grip Control”. Com estes modos de tracção, o Citroen C5 Aircross ajusta o funcionamento do controlo de tracção para melhorar o comportamento nos vários tipos de piso, temos os modos: Normal, Areia, Lama, Neve e um modo que desliga o controlo de tracção.

Debaixo do capô da versão ensaiada estava o motor 1.5 BlueHDi de 4 cilindros diesel com 130cv de potência às 3750rpm e 300Nm de binário às 1750rpm. Este motor estava associado a uma caixa automática de 8 velocidades que enviava a potência para as rodas dianteiras. O motor 1.5 BluHDi tem uma resposta agradável nos baixos e médios regimes, mas não faz do Citroen C5 Aircross um automóvel de grandes velocidades. A caixa automática de 8 velocidades é agradável, intuitiva no seu funcionamento e “obediente” no modo sequencial. No modo automático funciona em prol do conforto, proporcionando um ambiente a bordo harmonioso.

A aceleração dos 0 aos 100km/h ocorre em 10,6 segundos, antes de atingir uma velocidade máxima de 189km/h. As emissões de CO2 rondam as 106g/km. No que toca aos consumos, o Citroen C5 Aircross com o motor 1.5 BlueHdi realizou no nosso ensaios consumos de 6,6 Litros a cada 100km, em percursos mistos com e sem trânsito.

Na segurança o Citroen C5 AirCross está equipado com todos os sistemas de segurança que se têm vindo implementar nos automóveis mais equipados. Contudo, alguns destes sistemas podiam funcionar melhor como a transposição involuntária de faixa com correcção de volante ou o aviso de ângulo morto, estes sistemas por vezes demoram ou nem sequer chegam a detectar o automóvel no ângulo morto ou o erro do condutor quando transpõe a via sem pisca. Ainda assim, segurança é que o não falta ao Citroen C5 Aircross que tem sistema de ajuda ao arranque em subida, retrovisor interior com escurecimento automático, sistema de ajuda à descida, controlo de estabilidade do atrelado, cruise control adaptativo com função stop&go, alerta de colisão frontal, reconhecimento de sinais de trânsito, travagem activa de emergência, alerta de fadiga do condutor, luzes de máximos automáticas, aviso de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, entre outros.

Nos testes Euro NCAP o Citroen C5 Aircross obteve as 5 estrelas na versão mais equipada com 89% na segurança dos adultos, 86% na segurança das crianças, 67% na protecção dos peões e 82% nas ajudas à condução. Já as versões menos equipadas obteve 4 estrelas com 87% na protecção dos adultos, 86% na protecção das crianças, 58% na protecção dos peões e 75% nas ajudas à condução.

Os preços do Citroen C5 Aircross começam nos 24.316,89€ para a versão Live com o motor 1.2 PureTech de 130cv a gasolina com caixa Manual de 6 velocidades. A versão Live (entrada de gama) com o motor diesel 1.5 BlueHdi de 130cv e caixa manual de 5 velocidades começa nos 29.206,89€. A versão ensaiada Shine com o motor 1.5 BlueHdi com pintura metalizada, Jantes Art de 19 polegadas e barras de tejadilho longitudinais White, tem o preço de 38.045,69€ (Todos os valores com IVA incluído). O Citroen C5 Aircross com esta configuração paga de IUC: 146,79€

Artigo anterior

Mazda 3 2.0 SKYACTIV-G Excellence: Engenharia do prazer!

Artigo seguinte

Renault Clio: Disponível em Portugal em Setembro com preços a começar nos 17.790,00€!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.