EnsaiosNoticiasZoom Eco

Toyota Corolla 2.0 Hybrid Square Collection: Confiança irrepreensível!

A Toyota abandonou o “Auris”, voltou ao nome Corolla que tanto fez pela marca, um nome apreciado por muitos e relembrado por outros tantos, um nome que se associa à fiabilidade e à família, um automóvel que foi passando de geração em geração como uma verdadeira referência. O novo Toyota Corolla está melhor do que nunca com um design inovador, uma dinâmica convincente e motorizações de bradar aos céus!

O novo Toyota Corolla tem um aspecto irreverente, como nenhum dos seus antecessores teve. É um automóvel moderno e algo futurista, que adopta um aspecto desportivo e rebelde, digno de um verdadeiro desportivo.

A dianteira é baixa e agressiva, fazendo-se acompanhar de um capô longo e de uma grelha dianteira ampla e desportiva, o logo da marca nipónica encontra-se no extremo com a moldura azul dando ênfase ao facto de se tratar de uma versão híbrida. O pára-choques é largo e desportivo, deixando espaço para um lábio dianteiro saliente e para remates a preto brilhante. As ópticas dianteiras estão mais bonitas do que nunca e acentuam o aspecto desportivo.

Nas laterais há guarda-lamas e ilhargas menos tímidas que nas anteriores gerações. A linha de cintura é elevada e as rodas preenchem bem as cavas, oferecendo um aspecto mais dinâmico ao familiar compacto da Toyota. As portas altas conferem um aspecto mais premium, deixando vidros laterais suficientemente grandes para evitar um interior claustrofóbico.

A traseira é absolutamente imponente, com um spoiler traseiro generosa, uma tampa de bagageira atrevida e saliente e um pára-choques traseiro muito musculado que transporta um difusor desportivo e duas saídas de escape simuladas. Os farolins traseiros transparentes possuem uma assinatura luminosa inconfundível e conferem à traseira um estilo mais irreverente.

Ainda no exterior temos chave mãos-livres, ópticas e farolins LED, vidros traseiros escurecidos, jantes de 17 polegadas com dois tons envolvidas em pneus de baixo perfil 225/45, badges hybrid, pintura bi-tom, entre outros.

No interior há uma qualidade de construção ao nível do segmento, que adopta um estilo minimalista, mas requintado através do material emborrachado, que abunda no interior e está divido por pespontos contrastantes. O tablier encontra-se agora mais focado no condutor, oferecendo a este melhor alcance e visualização. Há luz ambiente e couro nas portas e tablier. Dependendo das versões, é ainda possível adoptar o branco ou o vermelho para cor do interior.

As entradas e saídas no Toyota Corolla fazem-se sem grandes preocupações, uma vez que a acessibilidade é agradável, com uma abertura de portas dianteiras e traseiras satisfatórias e um tejadilho que não é excessivamente inclinado, facilitando o acesso aos lugares traseiros.

Nos lugares dianteiros e traseiros viajamos à vontade com espaço para as pernas e para a cabeça. A bagageira é das mais pequenas do segmento com apenas 313 Litros de capacidade.

No que toca ao equipamento, temos sensores de ajuda ao estacionamento com câmara, sensores de chuva e luminosidade, ar-condicionado automático de dupla-zona, volante multi-funções, botão start da ignição, travão de estacionamento eléctrico, sistema de navegação e multimédia em ecrã de 8 polegadas, 6 colunas, reconhecimento por voz, apoio de braço traseiro, tomada de 12 volts na dianteira, entradas USB e Aux, patilhas da caixa no volante, painel de instrumentos em ecrã TFT de 7 polegadas, cruise control e limitador de velocidade, entre outros.

O sistema de navegação e multimédia da Toyota já merecia uma “boa revisão”. Apesar de estar melhor posicionado no topo da consola central, não está preparado para Android Auto, nem para o Apple CarPlay. Não é o sistema de navegação e multimédia mais rápido e encontra-se algo “desactualizado” face à concorrência. A facilidade na utilização também não é o seu forte. Contudo, as aplicações relacionadas com o consumo de energia e ciclo da mesma ajudam-nos a aproveitar melhor o sistema híbrido e guardam registos das nossas prestações e consumos. Este sistema da Toyota é o mais evoluído da gama e conta já com Mirror Link, através da conexão USB.

Se o sistema de navegação e multimédia não teve grande evolução, o mesmo não podemos dizer do painel de instrumentos que sofreu uma grande volta face ao seu antecessor. É quase todo digital, uma vez que a parte analógica se resume às rotações, temperatura do motor e indicador do depósito de combustível. No computador de bordo temos acesso à velocidade, dados de viagens e consumos, informações relativas do sistema híbrido com gráficos e classificação da nossa condução económica, informação acerca dos sistemas de segurança, informações de navegação e multimédia e ainda modos de condução que alteram as cores do computador de bordo.

A posição de condução do novo Toyota Corolla também convence pela positiva, está mais baixa, não prejudicando quem gosta de uma posição mais alta e descontraída, uma vez que o assento do condutor é regulável em altura e a direcção é regulável em altura e profundidade. O condutor tem boa visibilidade, apoio lombar quanto baste e está inserido num ambiente mais envolvente, capaz de privilegiar o prazer de condução. O volante tem uma boa pega, os comandos estão acessíveis ao condutor e a única coisa que passamos a desejar é que as patilhas da caixa fossem ligeiramente maiores, mas nada que nos tire o sono. O novo Toyota Corolla passou a ser uma opção a ter em conta quando se dá importância ao prazer de condução.

No que toca ao comportamento, o Toyota Corolla Evoluiu, temos agora um direcção mais directa e precisa, suspensões mais firmes que não prejudicam o conforto a bordo e um chassi competente que nos faz querer “dar fogo à peça”. A rigidez torcional é maior. Quando o ritmo é mais despachado, o comportamento do Toyota Corolla não desilude e é bastante previsível, não sentimos perdas de tracção na dianteira mesmo quando entramos numa curva com mais “confiança” e a traseira não é de “pregar sustos”. Do ponto de vista da condução, o que nos “estraga o ambiente” é a caixa automática de variação contínua que embora melhor, não é a ideal para conduções mais “empenhadas”, tendo uma resposta algo lenta que prejudica as. saídas de curva. Não sendo um automóvel de corrida, a caixa de variação continua oferece conforto, é fácil de utilizar, está menos ruidosa e proporciona consumos de excelência, tem ainda várias relações que “simulam” as mudanças de uma caixa automática convencional, com o intuito de aumentar o prazer de condução. O centro de gravidade está mais baixo cerca de 10mm, a carroçaria sofreu um aumento de rigidez na ordem dos 60%, enquanto a suspensão sofre agora menos 40% de fricção e é independente no eixo traseiro.

O motor 2.0 Litros de 4 cilindros a gasolina associa-se a um motor eléctrico, em conjunto, oferecem uma potência combinada de 180cv e um binário de 190Nm do motor a combustão e 200Nm do motor eléctrico. Este motor oferece andamentos vivos ao Toyota Corolla e uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 7,9 segundos. As recuperações são também surpreendentes, devido ao auxilio do motor eléctrico. A velocidade máxima é de 180km/h.

No nosso ensaio com percursos mistos, o Toyota Corolla 2.0 Hybrid realizou consumos próximos dos 5 Litros a cada 100km, o que é surpreendente, uma vez que falamos de um motor 2.0 Litros a gasolina com 180cv e andamentos vivos. As emissões de CO2 anunciadas pela Toyota rondam as 118g/km. Nos percursos de cidade é comum circularmos no modo totalmente eléctrico, quando temos uma carga na bateria superior a 50% e até damos pelo Toyota Corolla Hybrid a circular em auto-estrada no modo totalmente eléctrico durante as desacelerações ou acelerações mais comedidas.

Os modos de condução ajudam a “afinarmos” o Toyota Corolla ao que pretendemos. As alterações ocorrem ao nivel da resposta do acelerador, direcção e climatização. No modo “Eco” a climatização perde rendimento, assim como a resposta ao acelerador se torna mais progressiva. O modo “Sport” aumenta a rigidez da direcção tornando-a mais comunicativa e a resposta ao acelerador mais rápida. O modo “Normal” adequa-se a qualquer situação, encontrando o “meio termo”, entre os modos mencionados anteriormente. O modo EV permite-nos circular no modo totalmente eléctrico, abaixo dos 50km/h, quando temos uma carga de bateria superior a 50%.

No que toca à segurança, o novo Toyota Corolla surge com travagem activa de emergência, alerta de transposição involuntária de faixa com correcção de volante, monitorização da pressão dos pneus, retrovisor interior com escurecimento automático, sistema de ajuda ao arranque em subida, reconhecimento de sinais de trânsito, entre outros. Nos testes Euro NCAP o novo Toyota Corolla obteve as 5 estrelas com 95% na protecção dos adultos, 84% na protecção das crianças, 86% na protecção dos peões e 77% nas ajudas à condução.

O Toyota Corolla está disponível a partir dos 21.299,00€ para a versão base Active, com o motor 1.2 a gasolina de 122cv. A versão Active está também disponível com o motor 1.8 Hybrid de 122cv por 25.990,00€. O motor 2.0 Hybrid ensaiado só está disponível nas versões Square Collection (Ensaiada),Exclusive e Luxury. A versão ensaiada Square Collection está disponível a partir dos 29.410,00€ para a motorização 1.8 de 122cv, já a versão ensaiada Square Collection com o motor 2.0 Hybrid está disponível a partir dos 32.275,00€. Paga de IUC: 204,21€.

Fotos: João Santos

Artigo anterior

Ford prepara SUV que irá substituir Mondeo, Galaxy e S-Max?

Artigo seguinte

PIAGGIO MP3 300 HPE: Um novo modelo com 3 rodas!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.