EnsaiosNoticias

Honda Civic 1.6 I-DTEC 9AT: Conforto e jovialidade!

A CarZoom testou o Honda Civic pela 6ª vez, depois do motor 1.0 VTEC, 1.5 VTEC, Type-R e versão Sedan com as motorizações diesel e gasolina, faltava-nos ainda testar a caixa automática de 9 velocidades, que nos fez pensar que já lá vai o tempo em que os consumos subiam de forma acentuada quando se falava em caixas automáticas.

O Honda Civic tem a vantagem de ter disfarçadas as motorizações e as caixa de velocidades no que toca ao aspecto exterior. Não há “badges” ou siglas que indiquem que se trata de um motor diesel ou gasolina, de uma caixa automática ou manual, podemos dizer que a única versão verdadeiramente inconfundível é o Type-R. Se realizamos muitos quilómetros diariamente, enfrentamos as duras filas de trânsito e privilegiamos o conforto, o Honda Civic 1.6 I-DTEC de caixa automática é uma boa opção a ter em conta, com a vantagem que não ficamos com um automóvel de aspecto mais “envelhecido” se optarmos pela versão Hatchback.

O Honda Civic conta com um capo largo e mergulhante, uma grelha fechada preta e luzes full led. O aspecto mais desportivo concede um design mais jovem ao familiar compacto da Honda. Nas laterais temos vidros traseiros escurecidos, uma linha de cintura elegante, alta e rectilínea que sobe até à traseira e jantes de 17 polegadas envolvidas em pneus 235/45.

A traseira é mais irreverente, mas mantém o aspecto desportivo acentuado por dois spoilers traseiros, um difusor e luzes em “C”.

No interior contamos com um design cuidado e bem conseguido, qualidade nos materiais e na montagem. Face às versões de caixa manual, esta versão tem uma caixa automática operada por botões que oferecem ao interior um estilo mais “limpo”.

A posição de condução é boa e os comandos estão acessíveis e a própria consola está direccionada para o condutor, o que significa que todo o ambiente proporciona uma condução envolvente.

Este novo modelo nipónico pode muito bem ser o automóvel mais espaçoso do segmento. Tanto para os passageiros que viajam à vontade nos lugares dianteiros e traseiros como na bagageira que tem 478 Litros de capacidade que se poderão expandir até aos 1267 Litros. Não nos podemos esquecer de que se trata de uma berlina e não de uma carrinha.

O equipamento interior não varia face às outras motorizações com caixa manual, pelo que mantemos carregador Wi-Fi, sensores de chuva e luminosidade, chave mãos livres, Travão de Estacionamento Eléctrico, Espelhos das portas aquecidos com regulação eléctrica, A/C Automático Dupla zona, câmara traseira de auxílio ao estacionamento com diferentes visualizações, Espelho Retrovisor Interior com Escurecimento Automático, Teto de abrir em vidro, chave mãos-livres e ainda assentos aquecidos nos lugares dianteiros e traseiros.

O sistema de navegação e multimédia é digno da excelência. Tem uma óptima apresentação e funções a perder de vista, junta-se a um ecrã táctil de 7 polegadas, rádio AM/FM/DAB, Apple CarPlay, Android Auto, radio via internet, aplicação Aha e ainda browser para acesso à internet. Continua com 2 entradas USB, HDMI e está ligado a 11 altifalantes de elevada potência. Este sistema requer alguma habituação.

O painel de instrumentos é digital, tem boa apresentação e o computador de bordo fornece muita informação como dados de viagem e consumos, multimédia, navegação, potência e binário, sistemas de ajuda à condução, entre outros.

Apesar de ser um diesel o prazer de condução está garantido, devido a um chassi equilibrado que oferece uma inserção em curva digna de registo, a uma direcção directa, motor entusiasmante e configuração de suspensão multi-link que oferece maior conforto e dinâmica.

A suspensão tem também 2 modos: Dynamic e Normal que ajustam a rigidez para uma condução mais desportiva e precisa ou para maior conforto. A este modo de suspensão juntamos o tradicional “modo Eco” já presente na maioria dos automóveis. O botão “ECO” é accionado quando pretendemos privilegiar os consumos de combustível.

O motor 1.6 I-DTEC tem 4 cilindros, 120cv de potência 300Nm de binário, é um motor despacchado e redondo que tem a economia de combustível como palavra de ordem, mesmo estando associado à caixa automática de 9 velocidades. Em termos de performance, temos uma aceleração dos 0 aos 100km/h em cerca de 10,9 segundos e uma velocidade máxima de 200km/h.

A caixa automática de 9 velocidades é suave nas trocas do modo automático e é obediente q.b no modo sequencial. As patilhas da caixa podiam ser maiores e o funcionamento dos botões da utilização da caixa podia ser mais intuitivo.

Na segurança temos luzes de máximos automáticas, cruise-control adaptativo, aviso de ângulo morto, alerta de transposição de faixa com correcção de volante, reconhecimento de sinais de transito, alerta de colisão frontal com travagem activa de emergência, ajuda ao estacionamento, sistema de ajuda ao arranque em subida, aviso de transposição involuntária de faixa, aviso de fadiga do condutor, entre outros. Nos testes Euro NCAP o Honda Civic obteve as 5 estrelas com 92% na protecção dos adultos, 75% na protecção das crianças, 75% na protecção dos peões e 88% nas ajudas à condução.

O preço da versão ensaiada é de 35.425,00€. Paga de IUC: 146,79€.

Fotos: José da Palma

Artigo anterior

O desenho do primeiro CUPRA, em três passos

Artigo seguinte

Patrícia Mamona e João Pereira vão representar Portugal e a Toyota nos jogos Olímpicos 2020!

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.