ArtigosRúbricas

Citroen AX GTi: Tempo em que não se usava “filtros”!

O Citroen AX GTi, não é mais do que uma pequena caixa com o design de um tijolo, 4 rodas e um motor interessante… Ainda assim, é suficientemente bom para nos transmitir sensações excelentes e muitas das vezes melhores do que as de um desportivo actual com 200cv de potência.

São muitos os desportivos que testamos nesta vida do mundo automóvel… FELIZMENTE! Desde automóveis desportivos actuais com 200cv ou mesmo com 500cv de potência…

Ainda assim, falta sempre qualquer coisa… Talvez seja a condução sem filtros e o cheiro a gasolina no ar… Isso é o que nos proporciona um Citroen AX GTi e por incrível que pareça encontramos alguns a custar cerca de 1000€. (Convém verificar o estado em que se encontram)

Sabemos que os novos “hot hatch” nos levam para uma dimensão diferente daquela que nos levavam os velhos “caixões com rodas”. Pegamos num DS3 e sentimos segurança, eficácia, precisão e um comportamento divinal em que somos os “donos do mundo” capazes de ir mais e mais além… Será assim tão divertido?

Talvez um Citroen AX GTi nos “pique” e nos diga: “Vá! Esmaga lá o acelerador a fundo!”… Mas! Rapidamente sabemos quando estamos a “abusar da sorte”… O AX GTi dá-nos sinais “claros” de uma condução sem filtros, sem ajudas e com sistemas de segurança que não vão muito para além dos cintos.

A estrada sente-se de forma diferente da que sentimos num desportivo actual e facilmente ficamos “aos papeis” quando levantamos o pé do acelerador a meio de uma curva ou quando exageramos na travagem. Já as “aceleradelas” a fundo no meio das curvas não são filtradas por um tal “controlo de tracção”… O que torna tudo realmente emocionante!

Estes automóveis tinham uma essência formidável, não tinham motores potêntissimos como acontece hoje em dia, mas os nossos pais e mesmo alguns de nós divertiam-se com o “pouco” que estes carros tinham para oferecer, que no fundo se tornava uma fonte de diversão e felicidade.

O Citroen AX GTi não oferecia mais do que uma carroçaria com portas finas, um excelente chassi, travões de disco à frente com travão de tambor atrás e pneus 185/60 R13. Claro que contava com um motor 1.4 Litros de 4 cilindros com 95 cv de potência às 6600rpm e 120Nm de binário às 4200rpm. O melhor de tudo era mesmo o baixo peso, que a seco se ficava pelos 795kg!

Esta receita embora não pareça “nada de especial” era o suficiente para que o Citroen AX GTi acelerasse dos 0 aos 100km/h apenas 9,4 segundos e atingisse uma velocidade máxima de 186km/h. Por incrível que pareça existem automóveis actuais com mais potência que não cumprem a barreira dos 100km/h com a rapidez que cumpre um AX GTI do inicio dos anos 90. Já lá vão quase 30 anos!

Como será possível não nos divertir-mos numa coisa assim! Infelizmente muitos dos nossos pais perderam amigos e colegas ao volante deste tipo de automóveis e por isso devemos “dar graças” ao facto dos novos automóveis aparecerem já com tantos dispositivos de segurança e tantas ajudas electrónicas.

No entanto ainda acordo muitas vezes a sonhar com “pocket rockets” dos anos 80 e 90. Automóveis cuja essência era a diversão, a condução sem filtros, a falta de segurança e o cheiro a gasolina no ar.

Artigo anterior

70 anos da Ferrari em destaque no Motorclássico!

Artigo seguinte

KIA Rio 1.0 T-GDI e 1.4 CRDi: Saiba qual a melhor opção!

3 Comentários

  1. Guedes
    14 Abril, 2017 a 18:50 — Responder

    So um aparte o AX GTI MK1 debita 100cv. so no MK2 e que debitava 95cv. mk1 de 1991 ate 1993 e mk2 de 1993 ate 1995!

  2. Rafael Isento
    14 Abril, 2017 a 20:37 — Responder

    Artigo bastante interessante, acima de tudo pela forma como é abordado. Mais do que falar do AX GTi, faz uma retrospectiva do que era o mundo automóvel numa época bem diferente da actual.
    De notar que existem dois GTi’s, 3 se incluirmos outros mercados onde as normas anti-poluição são mais restritas. Existiu a versão 100cv com motor K6B (TU3FJ2/Z) não catalisado, a versão 95cv com motor KFZ (TU3FJ2/K) catalisado e do qual se usaram os dados neste texto, no entanto as imagens são todas do 100cv, e por fim a versão com o motor de 90cv KFY (TU3FJ2/?) mas que não foi comercializada em Portugal.
    Os K6B são os modelos de 1991-92 e os KFZ os de 1993 a 1995. Os primeiros são mais raçudos do que o referido no texto, sendo as principais diferenças a potência de 100cv/6800rpm, binário superior em 0,3kg.m, 190km/h de velocidade máxima e o tradicional arranque dos 0-100km/h abaixo da barreira dos 9 segundos (8,7s).
    Parabéns pelo texto!

  3. Rafael Isento
    15 Abril, 2017 a 00:38 — Responder

    Artigo bastante interessante, acima de tudo pela forma como é abordado. Mais do que falar do AX GTi, faz uma retrospectiva do que era o mundo automóvel numa época bem diferente da actual.
    De notar que existem dois GTi’s, 3 se incluirmos outros mercados onde as normas anti-poluição são mais restritas. Existiu a versão 100cv com motor K6B (TU3FJ2/Z) não catalisado, a versão 95cv com motor KFZ (TU3FJ2/K) catalisado e do qual se usaram os dados neste texto, no entanto as imagens são todas do 100cv, e por fim a versão com o motor de 90cv KFY (TU3FJ2/?) mas que não foi comercializada em Portugal.
    Os K6B são os modelos de 1991-92 e os KFZ os de 1993 a 1995. Os primeiros são mais raçudos do que o referido no texto, sendo as principais diferenças a potência de 100cv/6800rpm, binário superior em 0,3kg.m, 190km/h de velocidade máxima e o tradicional arranque dos 0-100km/h abaixo da barreira dos 9 segundos (8,7s).
    Parabéns pelo texto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *